ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Conselho de Segurança dos EUA elogia Bolsonaro sobre saída de cubanos do Mais Médicos

Pelo Twitter, americanos afirmaram que brasileiro "tomou posição contra regime cubano"

Beatriz Bulla, CORRESPONDENTE

16 Novembro 2018 | 23h20

WASHINGTON - O Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos elogiou na noite desta sexta-feira, 16, o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), por sua postura em relação ao programa Mais Médicos. Através da conta oficial de Twitter do órgão, o Conselho de Segurança Nacional divulgou em duas postagens, uma em inglês e uma em português a mensagem: "Elogiamos o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, por tomar posição contra o regime cubano por violar os direitos humanos de seu povo, incluindo médicos enviados para o exterior em condições desumanas".

O Conselho de Segurança Nacional é o principal fórum da presidência nos Estados Unidos para assuntos de segurança nacional e relações de política internacional.

Mais cedo, a secretária para assuntos de Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos EUA, Kimberly Breier, já havia se manifestado nesse sentido. "Que bom ver o presidente eleito Bolsonaro insistir em que os médicos cubanos no Brasil recebam seu justo salário em vez de deixar que Cuba leve a maior parte para os cofres do regime", escreveu ela em sua conta no Twitter.

Na quarta-feira, o governo cubano informou que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" de Bolsonaro, que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto.  O programa Mais Médicos tem 18.240 profissionais - sendo 8.332 cubanos. Nesta sexta, Bolsonaro voltou a criticar os termos do acordo com Cuba no Mais Médicos e disse que a situação dos profissionais de saúde cubanos é “praticamente de escravidão” e questionou a qualidade dos serviços prestados.

Assessor americano planeja viagem ao Brasil

A aproximação entre o governo americano e o entorno de Bolsonaro vem acontecendo desde a eleição do brasileiro. O Assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, planeja uma viagem ao Brasil no próximo dia 28 e 29 na qual deverá se encontrar com o presidente eleito, Jair Bolsonaro. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo e confirmada com duas fontes pelo Estado. O governo americano ainda não bateu o martelo sobre a viagem, mas a possibilidade de que o americano se encontre com Bolsonaro vem sendo discutida nas últimas semanas.

No início do mês, em discurso, Bolton considerou a eleição de Bolsonaro no Brasil como um sinal positivo na América Latina e destacou que o brasileiro é um parceiro com ideias semelhantes às dos EUA. Bolton, que é um dos conselheiros de Trump para política externa, considera Bolsonaro como um aliado na região contra governos de esquerda como Venezuela, Cuba e Nicarágua – o que ele já chamou de “troica da tirania”.

 A ideia é que Bolton vá ao Brasil antes de ir a Buenos Aires, na Argentina, para o encontro do G-20. Até o momento, a Casa Branca não respondeu questionamentos da reportagem sobre a viagem.

Eduardo Bolsonaro irá aos Estados Unidos

Dias antes de Bolton ir ao Brasil, o deputado eleito Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito e um dos articulares da aproximação do novo governo com os Estados Unidos, viajará a Washington. Na capital americana, ele participará de um evento a portas fechadas com membros do Brazil-US Business Council e de um almoço organizado pelo American Enterprise Institute nos dias 26 e 27.

O grupo ligado a Eduardo Bolsonaro tenta costurar, nos EUA, conversas com parlamentares republicanos, integrantes da Casa Branca e membros do Conselho de Segurança Nacional.

Há cerca de 20 dias, o Brazil-US Business Council, que irá receber Eduardo Bolsonaro, organizou evento sobre as eleições no Brasil no qual esteve presente Landon Loomis. Loomis é conselheiro do vice-presidente Mike Pence e, por já ter morado no Brasil em posto na embaixada americana no País, é considerado uma das portas de acesso do grupo de Bolsonaro à Casa Branca.

A ideia é que, depois de Washington, ele vá a Nova York para um novo encontro com integrantes do mercado financeiro, como fez em agosto, acompanhado de Filipe Martins, assessor para assuntos internacionais do PSL.

Logo após a eleição, o filho de Bolsonaro já planejava uma viagem aos EUA com encontros com o vice-presidente Mike Pence e o secretário de Estado, Mike Pompeo, mas os planos não saíram do papel e a viagem foi postergada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.