Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Bruna Prado/ AP
Bruna Prado/ AP

Consórcio de veículos de imprensa passa a divulgar número de vacinados contra a covid-19 no Brasil

Apenas cinco Estados e o Distrito Federal divulgaram informações, contabilizando 109.097 pessoas vacinadas até as 20h desta quinta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 21h50

O consórcio de veículos de imprensa, que reúne os veículos O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, Extra, G1 e UOL, começou a coletar dados sobre a vacinação contra covid-19. Por enquanto, apenas cinco Estados e o Distrito Federal divulgaram informações. No total, as seis unidades da Federação contabilizaram até as 20h desta quinta-feira 109.097 pessoas vacinadas.

O consórcio foi formado em junho do ano passado, para coletar e divulgar em conjunto números de testes positivos de covid-19 e mortes provocadas pela doença. A busca dos dados é feita nas secretarias estaduais de Saúde.

A parceria foi formada para evitar o risco de “apagão” nos dados sobre a pandemia. Em junho, mudanças feitas pelo Ministério da Saúde na publicação de seu balanço da pandemia reduziram a quantidade e a qualidade dos dados. Depois que o consórcio foi formado, o ministério recuou e voltou a divulgar as informações como anteriormente.

O governo federal também vai publicar informações sobre o andamento da campanha de vacinação, mas, até o momento, os dados estão bastante defasados. 

Estados relataram aos veículos do consórcio instabilidade no sistema informatizado de registro de vacinados, desenvolvido e anunciado recentemente pelo Ministério da Saúde.

O número de vacinados nas seis unidades da Federação que divulgaram dados até agora equivale a cerca de 0,05% da população, ou 0,07% dos maiores de idade. As doses aplicadas, segundo os registros dessas seis secretarias estaduais, representam cerca de 1,8% das quase 6 milhões de doses distribuídas até o momento. Têm prioridade na imunização profissionais de saúde, idosos que vivem instituições de longa permanência e indígenas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.