Consumidores de cocaína têm córtex cerebral mais fino

Resultados poderiam ser resultado do uso da substância ou de uma predisposição genética para o vício

EFE,

08 de outubro de 2008 | 14h59

Uma equipe de cientistas do Hospital Geral de Massachusetts descobriu que a espessura do córtex cerebral de viciados em cocaína é menor que o de pessoas que não consomem a droga.   As causas dessas e outras alterações, dizem os cientistas que publicaram suas descobertas na revista Neuron, poderiam estar no abuso da substância, mas também poderiam ser resultado de uma predisposição genética para o vício.   Comparando imagens de ressonância magnética de cérebros de viciados e não viciados, os pesquisadores detectaram que a diminuição de espessura é mais pronunciada nas regiões do córtex envolvidas em processos cognitivos e de motivação.   Sabe-se que os critérios e meios de tomada de decisão de viciados são diferentes dos de pessoas que não têm o hábito mas, de acordo com o principal cientista da pesquisa, Hans Breiter, ainda não se compreende bem como essas alterações comportamentais se relacionam com as mudanças na estrutura cerebral.   Testes psicológicos aplicados a viciados e não-viciados indicam os primeiros têm menor capacidade de motivação e atenção, e que essas funções teriam relação com a espessura das regiões do córtex relacionadas a elas.

Tudo o que sabemos sobre:
cérebrococaína

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.