Elizabeth Shafiroff/Reuters
Elizabeth Shafiroff/Reuters

Cigarro eletrônico: Brasil tem ao menos 3 casos de dano pulmonar associado ao produto

Segundo sociedade médica, pacientes apresentaram ‘injúria pulmonar’ nas ‘últimas semanas’ após uso de produto adquirido fora do País; estudo aponta que 27% dos estudantes do ensino médio dos EUA utilizaram vaporizadores no último mês

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2019 | 12h14

SÃO PAULO - A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) divulgou um comunicado sobre a identificação de ao menos três pacientes que tiveram injúria pulmonar relacionada ao uso de cigarros eletrônicos, também chamados de vaporizadores e vapes (em inglês). Os casos foram registrados “nas últimas semanas”, segunda a associação, e são todos relacionados ao uso do produto com fluido a base de THC, que é extraído da cannabis (maconha).

Embora proibidos no Brasil, os vaporizadores estão à venda em diversos sites e páginas na internet. Nos três casos reportados à SBPT, os produtos foram comprados nos Estados Unidos.

Chamada de EVALI, a doença respiratória relacionada ao uso de cigarros eletrônicos costuma ter tosse, dor torácica e dispneia entre os principais sintomas. O consumo do produto também pode causar reações gastrointestinais, dor abdominal, náusea, vômito, diarreia, febre, calafrios e perda de peso, de acordo com a SBPT.

Os vaporizados geralmente são consumidos com fluídos a base de nicotina ou THC, que são misturados a óleos e acetato de vitamina E - substância que, após inalada, pode carregar gordura ou ficar depositada no pulmão, com efeitos na passagem de oxigênio. 

Além do mais tradicional, os dispositivos também são vendidos nos formatos de lápis, batom e caneta. Os líquidos utilizados em vaporizados também são vendidos saborizados, como de chocolate e frutas. 

Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou que tem "mantido contato e diálogos com a Sociedade Brasileira de Pneumologia Toráxica para analisar as informações relacionadas aos casos".

Segundo o Centers of Disease Control and Prevention (CDC), do governo norte-americano, foram identificados 2.291 casos de pacientes hospitalizados por consumo de vaporizados até 4 de dezembro deste ano. Também foram registradas 48 mortes causadas por EVALI no mesmo período. 

Um estudo divulgado nesta sexta-feira, 6, pelo CDC aponta que 31,2% dos estudantes de ensino médio norte-americanos (4,7 milhões de adolescentes) consumiram tabaco nos últimos 30 dias. Dentre os produtos à base da substância, os vaporizados são utilizados por 27,5% dos alunos do ensino médio. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
cigarro [tabagismo]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.