Consumo regular de açúcar é pior que exagero esporádico, diz estudo

Risco de cárie está associado ao padrão de ingestão, não à quantidade total de doces

Anahad O'Connor, do NYT

18 de agosto de 2010 | 21h14

O açúcar e as cáries andam de mãos dadas. Mas a quantidade total de açúcar que você come tem menos impacto sobre elas que o padrão como você o consome.

A cárie dentária ocorre quando as bactérias acumuladas nos dentes se alimentam de açúcares simples, criando um ácido que destrói o esmalte. Quando você come algo doce, as bactérias levam cerca de 20 segundos para convertê-lo em ácido, que desaparece em 30 minutos.

Isso significa que uma lata de refrigerante é muito menos prejudicial para os dentes quando consumida em poucos minutos do que várias horas de repetidos goles, segundo a professora de saúde pública e serviços comunitários Carole Palmer, da Universidade de Medicina Dental Tufts, em Boston (EUA).

"Cada vez que o açúcar se apresenta para as bactérias, você terá ácido em formação'', disse Carole , que publicou recentemente um estudo que explora mitos dental na revista Nutrition Today.

"O que aumenta o risco de cáries não é o montante total de açúcar, mas o padrão de alimentação. Você é alguém que está constantemente bebericando? Começa um refrigerante e o mantém e em sua mesa durante toda a tarde? Você pega uma xícara de café com açúcar e toma por toda a manhã?''

Pela mesma razão, muitos dentistas aconselham pais a não dar às crianças copos antiderramamento (com uma proteção em cima), que têm sido associados em alguns estudos sobre cárie dentária na infância.

A professora diz que o problema não é só açúcar, mas qualquer produto com ácido, como refrigerantes diet. Segundo outro estudo, os doces amargos são significativamente mais destrutivos para o esmalte do dente que doce normal, por causa de seus níveis de ácido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.