Contra Ebola, Brasil reforça as fronteiras

Ministério da Saúde determinou maior rigor pelos fiscais sanitários em todos os aeroportos, portos e limites do País

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

01 Agosto 2014 | 21h52

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde determinou que haja maior rigor pelos fiscais sanitários em todos os aeroportos, portos e fronteiras do País para que se identifiquem passageiros com possíveis sintomas do vírus Ebola e outras doenças transmissíveis. A informação foi dada pelo próprio ministro, Arthur Chioro, que recomendou que as pessoas “não tenham nenhum tipo de pânico porque o serviço de vigilância sanitária nos portos e aeroportos e nas fronteiras é plenamente capaz de identificar pessoas sintomáticas para poder detectar qualquer enfermidade”.

Chioro fez questão de garantir que “não há risco de transmissão global da doença, segundo a OMS”. De acordo com ele, até agora não há nenhum tipo de recomendação de restrição de viagem a países da África.

Após salientar que o governo recebe informes diários da OMS, ele explicou que o Brasil está cooperando com países africanos, mandando para eles kits de socorro médico. Além disso, recomendou para quem tiver de viajar para os países afetados pelo vírus Ebola que fique atento às recomendações das autoridades sanitárias locais, além de não entrar em contato com secreções, vômitos e sangue de pessoas vítimas de doenças e que estejam isoladas ou em tratamento médico. 

Mais conteúdo sobre:
ebolasaúdeArthur Chioro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.