Contra gripe suína, Glaxo tenta aumentar produção de Relenza

A empresa afirmou que forneceu 100 mil pacotes do remédio às autoridades mexicanas desde o início do surto

Reuters

27 Abril 2009 | 14h24

A GlaxoSmithKline, segunda maior fabricante de medicamentos do mundo, está procurando urgentemente maneiras de aumentar a produção de Relenza, um dos dois remédios que se mostraram eficientes contra a nova variedade da gripe suína.

 

Veja também

linkMéxico suspende aulas em todo o país; mortes são 149

linkCasal é internado em MG com suspeita de gripe suína

linkCom na Espanha, gripe suína chega à Europa

linkOMS discute gripe suína e UE convoca reunião

linkEstado de emergência é 'precaução', diz Obama

linkNão há evidências de casos no Brasil

linkEUA declaram emergência de saúde pública

lista Entenda a doença e saiba como ela é transmitida

mais imagens Galeria: Gripe suína 

A doença já matou 149 pessoas no México e especialistas temem que pode ser o início de uma epidemia. Exames mostram que a gripe suína é sensível ao Relenza, um medicamento inalado, e aos comprimidos de Tamiflu, da Roche.

A empresa britânica afirmou nesta segunda-feira, 27, que forneceu 100 mil pacotes de Relenza e 170 mil doses adicionais de sua vacina de gripe sazonal às autoridades mexicanas, que pediu os remédios, desde a eclosão da doença.

"A Glaxo continua discutindo com as autoridades mexicanas se um maior apoio da empresa é necessário no momento" acrescentou a companhia.

A Glaxo, uma das maiores produtoras de vacinas da gripe sazonal, afirmou que está pronta para iniciar conversas com autoridades sobre a produção de uma nova vacina, assim que uma variedade adequada da medicação for validada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mais conteúdo sobre:
GRIPE REMEDIOS GLAXO TAMIFLU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.