Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Contra o coronavírus, Aeroporto de Congonhas é desinfectado pelo Exército

1º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear realizou operação no aeroporto da zona sul de São Paulo

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2020 | 18h40

O Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, foi desinfectado por 40 militares do 1º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (1º Btl DQBRN). A operação durou cerca de 1 hora e 40 minutos e foram utilizados 2 quilos de BX24, produto italiano à base de cloro e detergente, diluídos em água. A medida busca diminuir a propagação do novo coronavírus, na semana em que o Aeroporto de Congonhas começa a aumentar o número de voos.

"Quando passamos esse produto, o ambiente é zerado, eliminamos tudo que esteja nele naquele momento. Depois, há a preocupação com o trabalho de manutenção, e por isso foi realizada uma capacitação para os funcionários do aeroporto realizarem o trabalho com produtos comuns e de maneira menor, em locais pontuais com maior aglomeração", afirmou o Tenente-Coronel Jorge Otavio Domingues Costa, comandante do 1º Btl DQBRN, em entrevista ao Estadão.

Mesmo com a desinfecção do aeroporto, Domingues Costa alerta para que a população continue preocupada com as medidas de higiene no local, como usar máscara, passar álcool em gel nas mãos e manter a distanciamento de dois metros. "Depois que diminui a concentração do BX24 no ambiente e com a circulação de pessoas, o espaço volta a ficar suscetível a novas contaminações".

O batalhão, referência nacional em assistência e proteção química, é o único do Exército Brasileiro e fica localizado no Rio de Janeiro. Em São Paulo desde a semana passada, os militares já desinfectaram também o Hospital Guilherme Álvaro, em Santos, o Hospital Santo Amaro, em Guarujá, a Praça da Bandeira, em Caçapava, a Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, o Hospital Militar de Área de São Paulo (HMASP), na capital paulista, e o Quartel-General Integrado, sede do Comando Militar do Sudeste (CMSE).

A operação no Aeroporto de Congonhas ocorreu após o  1º Btl DQBRN procurar a Infraero. O superintendente da empresa pública federal do Aeroporto de Congonhas, João Márcio Jordão, falou que a ação foi realizada em um momento importante, porque a circulação voltou a crescer após o número de voos cair quase cerca de 90%. O local já havia tomado outras medidas, como a instalação de faixas para marcar a distância de 2 metros em locais com filas, dispensers de álcool em gel e placas de acrílico em frente aos balcões de check in.

"Veio em boa hora, para somar a tudo o que a Infraero já estava fazendo, somando as ações. Nos dá uma segurança maior nesse momento de retomada, com a malha aérea mais robusta", disse Jordão, ao Estadão.

Nesta terça-feira, por exemplo, a previsão era de 50 voos no Aeroporto de Congonhas. Antes da pandemia, eram quase 300 voos por dia. O aeroporto não fechou, mas chegou a ter queda de 90% no número de decolagens e pousos, com praticamente apenas movimentação de aeronaves executivas.

"A tendência é de que comece a aumentar a circulação a partir desta semana. Vai depender dos decretos de governos. Porque, além do medo da população, temos alguns Estados com restrições. Conforme começa a ter a reabertura do comércio nos Estados, melhora essa movimentação no aeroporto", afirmou o superintendente da Infraero em Congonhas. "Voltar ao que era ainda vai demorar, é difícil. Imagino que vai levar pelo menos mais uns dois meses, só para setembro ou outubro", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.