NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Contra o coronavírus, prédios reforçam higiene e vetam até piscina

Além de evitar as aglomerações, a recomendação é de isolamento para idosos e grupos de maior risco

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 05h00

Adiar assembleias e intensificar a limpeza das áreas de entrada e saída dos moradores estão entre as orientações passadas por entidades ligadas aos condomínios, que estão adotando estratégias para evitar a disseminação do novo coronavírus.

O Sindicato da Habitação (Secovi-SP) e a Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC) recomendam a adoção de medidas para evitar aglomerações em áreas comuns e agir com transparência se ocorrer o registro de casos suspeitos ou confirmados da doença.

“A primeira orientação é evitar aglomerações no condomínio. Há uma recomendação para que os idosos e pessoas de grupos de risco fiquem isolados e alguns condôminos estão se colocando à disposição para ajudar em alguma coisa. Os síndicos podem orientar porteiros e zeladores”, sugere José Roberto Graiche Junior, presidente da AABIC.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Graiche Júnior diz que a higienização dos ambientes é fundamental. “É preciso manter os locais arejados, fazer limpezas constantes e os moradores zelarem pela limpeza, cuidando de equipamentos que manuseiam, como na academia, passando sempre álcool em gel.”

Sobre a divulgação dos casos, ele diz que os moradores precisam receber a informação. “Se a pessoa estiver com a doença, que comunique o síndico, que deverá alertar sem identificar o doente. O sigilo é para que não haja discriminação.”

Síndico do Condomínio Alameda Morumbi, na Vila Andrade, zona sul da capital, o aeronauta Paulo Werneck Coelho, de 42 anos, diz que medidas estão sendo adotadas para evitar infecções entre os cerca de 1,6 mil moradores. “Suspendemos um bazar, reforçamos a limpeza e o uso de álcool em gel. Também antecipamos a campanha de vacinação que era para o fim de abril.”

No condomínio Mais Reserva Jaguaré, localizado na zona oeste da capital, salão de festas e de jogos, academia, espaço mulher, playground, piscinas e churrasqueira não podem ser usados desde sábado.

“Comunicamos a todos os moradores de forma muito incisiva que estamos em uma situação problemática. Neste momento de respeito à comunidade, a gente bloqueou tudo para que não haja movimentação nesses locais. Alguns reclamam um pouco, mas o morador precisa entender”, diz Iuri Britto, de 37 anos, gerente regional de vendas e síndico do condomínio, que tem cinco torres e 285 apartamentos.

A maior preocupação dele é com as crianças. “As pessoas acham que elas são imunes, mas transportam o vírus. Temos muitos idosos que acabam vindo aqui porque as crianças estão fora da escola. Eles não deveriam, porque são mais vulneráveis e ficam expostos, mas está acontecendo.”

Na semana passada, o governo do Estado anunciou a interrupção gradativa nas aulas nas redes pública e privada. Na ocasião, foi ressaltado que os avós não devem cuidar das crianças, tendo em vista que formam parte do grupo de maior risco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.