Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Coronavac: o que se sabe até agora sobre a vacina contra a covid-19?

Imunizante tem eficácia de 78% contra casos leves de covid-19 que precisaram de intervenção médica; pedido de uso emergencial foi feito à Anvisa

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

08 de janeiro de 2021 | 17h34

   

SÃO PAULO - Depois do anúncio do governo de São Paulo de que a Coronavac tem 78% de eficácia contra casos leves da covid-19 que precisaram de algum tipo de intervenção médica e que o pedido de autorização temporária de uso emergencial e em caráter experimental foi feito à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta sexta-feira, 8, o início da vacinação contra a doença no Brasil se tornou algo mais próximo.

A vacina, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, já tem cerca de 11 milhões de doses em território paulista, que foram recebidas até o fim do ano passado. A previsão é de que ela já comece a ser aplicada neste mês.

Mas o que já se sabe sobre esta vacina contra a covid-19? Ela é segura? Quem será vacinado primeiro? Para tirar dúvidas, o Estadão preparou um perguntas e respostas sobre o tema. Veja abaixo.

A Coronavac foi testada no Brasil?

Sim. Em julho do ano passado, a Anvisa autorizou que a fase 3 dos ensaios clínicos com a vacina fossem realizados no País.

Quantos voluntários participaram dos testes com a vacina?

Foram cerca de 13 mil profissionais de saúde. Ao todo, 16 centros de pesquisa espalhados por sete Estados e no Distrito Federal fizeram parte dos testes.

A vacina é segura?

De acordo com o governo do Estado de São Paulo, estudos clínicos apontaram que 94,7% dos voluntários não tiveram evento adverso. Entre os que apresentaram alguma reação, 99,7% relataram sintomas de baixa gravidade, como dor no local da injeção e dor de cabeça leve.

A Coronavac é eficaz?

Nesta quinta-feira, 7, o governo de São Paulo informou que a vacina tem 78% de eficácia contra casos leves de covid que precisaram de alguma intervenção médica e 100% de eficácia na prevenção de casos graves, moderados ou que precisam de internação hospitalar. Ou seja, nenhum voluntário vacinado precisou ser hospitalizado por causa da doença. No entanto, a eficácia geral da vacina, que considera todo o grupo de voluntários infectados, independentemente de necessidade de assistência médica, ainda não foi divulgada.

Por que, na Turquia, o resultado de eficácia foi de 91%?

O índice de eficácia apresentado pelo ministro da Saúde se referia ao resultado de uma análise preliminar dos dados feita com uma amostra de apenas 10% dos voluntários esperados, conforme confirmou ao Estadão o pesquisador turco Murat Akova, investigador principal dos testes clínicos da vacina no país.

Como funciona a Coronavac?

Ela é produzida com vírus inativados do novo coronavírus (Sars-CoV-2), que induziriam o sistema imunológico a produzir anticorpos contra a doença.

São necessárias quantas doses e qual o intervalo entre elas?

Duas doses com intervalo de 21 dias.

Quais populações serão o público-alvo da primeira etapa de vacinação?

Profissionais de saúde, idosos, indígenas e quilombolas.

A Coronavac vai integrar o Plano Nacional de Imunização contra a covid-19?

Sim. Após conflitos entre o governo federal e o governo do Estado de São Paulo, que incluiu divulgação de intenção de incorporação da Coronavac pelo Ministério da Saúde e posterior negação no ano passado, a pasta fechou a compra de 100 milhões de doses do imunizante.

Já há doses da vacina no País?

Até 30 de dezembro, o Estado de São Paulo já tinha recebido cerca de 11 milhões de doses (10,8 milhões) do imunizante.

A vacina já pode ser aplicada?

Não. Nesta sexta-feira, 8, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu o pedido de autorização temporária de uso emergencial e em caráter experimental da vacina. A agência tem um prazo de até dez dias para avaliar a solicitação.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Este prazo de avaliação do imunizante pode ser interrompido?

Sim. Em nota, a agência explicou que "as primeiras 24 horas serão utilizadas para fazer uma triagem do processo e checar se todos os documentos necessários estão disponíveis. Se houver informação importante faltando, a Anvisa pode pausar o prazo e solicitar as informações adicionais ao laboratório".

Quando a vacinação com a Coronavac deve ter início?

O governo do Estado de São Paulo informou que a previsão é de que o processo comece em 25 de janeiro. O Ministério da Saúde diz que a vacinação deve se iniciar no País, no melhor cenário, no dia 20.

É possível comprar a Coronavac?

Não. O Procon, inclusive, emitiu um alerta sobre anúncios falsos de vacinas contra a covid-19 que estão circulando em sites de venda pela internet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.