Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Coronavac: estudo preliminar aponta que vacina é segura e cria anticorpos em crianças e adolescentes

Imunizante provoca reações imunológicas em pessoas de 3 a 17 anos, de acordo com resultados preliminares de testes iniciais a intermediários

Rosanne Liu e Ryan Woo, Reuters

22 de março de 2021 | 15h42

PEQUIM - A Coronavac, vacina contra a covid-19 da Sinovac Biotech, parece ser segura e capaz de provocar reações imunológicas em crianças e adolescentes, de acordo com resultados preliminares de testes iniciais a intermediários, disse a empresa nesta segunda-feira, 22.

Os dados preliminares são de testes clínicos iniciais a intermediários com mais de 500 crianças e adolescentes entre as idades de 3 e 17 anos que receberam duas doses médias ou baixas da vacina ou um placebo. A maioria das reações adversas foi branda, disse Zeng Gang, um pesquisador da empresa, em uma conferência acadêmica em Pequim.

Segundo relatos, duas crianças que receberam a dose menor tiveram febre alta e foram categorizadas como grau 3, disse ele, sem dar detalhes ou especificar as temperaturas. Os níveis de anticorpos desencadeados pela vacina Coronavac da Sinovac foram maiores do que aqueles vistos em adultos de 18 a 59 anos e em pessoas idosas em testes clínicos anteriores, disse Zeng na apresentação.

Para crianças de 3 a 11 anos, a dose menor conseguiu induzir reações de anticorpos favoráveis, e a dose média funcionou bem nos jovens de 12 a 17 anos, disse o especialista. Os dados preliminares ainda não foram publicados em um periódico científico analisado pela comunidade internacional.

Os testes de estágio avançado da Sinovac no exterior, que testam a capacidade da vacina para impedir a covid-19, ainda não incluíram menores de idade. A empresa também está testando uma terceira dose como mais um reforço em ensaio clínico na China, com os participantes recebendo uma terceira dose cerca de oito meses após receberem a segunda.

A Sinovac já forneceu 160 milhões de doses de vacina a 18 países e regiões, incluindo a própria China, e mais de 70 milhões de doses já foram aplicadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.