JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Coronavírus: ocupação dos leitos de UTI chega a 100% no Ceará

Estado já comprou 15 mil novos túmulos para dar conta da demanda de óbitos

Lôrrane Mendonça, Especial para o Estado

16 de abril de 2020 | 22h11

Estado nordestino com o maior número de casos confirmados de covid-19, o Ceará já não tem mais leitos de UTI disponíveis e o governo prevê que a capital, Fortaleza, registrará 250 mortes pelo novo coronavírus por dia, a partir de maio. O Estado já comprou 15 mil novos túmulos para dar conta da demanda de óbitos.

O desafio em oferecer o maior número de leitos hospitalares possíveis cresce no Estado, tanto em Fortaleza, que concentra o maior número de confirmações, quanto no interior. Segundo o Secretário do Estado de Saúde, Dr. Cabeto, esse é o ponto que mais preocupa as autoridades médicas. “Nosso sistema público não tem mais leito de UTI, acabou”, disse.

A situação em relação a equipamentos também é preocupante. “Embora estejamos esperando uma compra da China, que prometeu 200 respiradores, eu fui informado de que não vamos receber nenhum. E os equipamentos de proteção individual, que são máscaras, viseiras e luvas, essenciais para os profissionais de saúde, só temos cinco dias de estoque.”

Cabeto alerta para a possibilidade de colapso do sistema de saúde do Ceará em maio. “Nós devemos chegar na próxima semana com uma mortalidade em torno de 10%.” O governador Camilo Santana (PT) diz que o Estado está tentando realizar a compra de respiradores “em qualquer canto”. “Conseguimos adquirir alguns que já haviam sido pagos aqui no Brasil, conseguimos consertar outros que estavam quebrados. Mas a compra de novos equipamentos tem sido um desafio.”

Até agora, o Estado assumiu a gestão de dois hospitais particulares. O Leonardo da Vinci, que já está ativo e dispõe de 230 leitos para pacientes com a covid-19, e o Hospital Batista, que vai oferecer 131 leitos, 7 de UTI.

Em todo o Ceará há 120 pacientes internados em UTIs, um crescimento de quase 10 leitos por dia. De acordo com Camilo Santana, a meta é expandir para 600 novos leitos de UTI em todo o Estado. Em Fortaleza, a prefeitura está construindo um hospital de campanha, mas, inicialmente, a unidade não receberá pacientes graves.

Santana pede que a população procure as unidades de saúde nos primeiros cinco dias de aparecimento dos sintomas. A explicação para a falta de UTIs é que as pessoas estão chegando aos hospitais em situação muito grave, tendo de ser encaminhadas diretamente para UTIs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.