EFE/EPA/DAVID CHANG
EFE/EPA/DAVID CHANG

Coronavírus pode estar se fortalecendo e infecções podem aumentar, dizem autoridades chinesas

Ministro da Comissão Nacional de Saúde da China falou com imprensa neste domingo; país começou a desenvolver a vacina

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2020 | 05h55

Em entrevista coletiva neste domingo, 26, o ministro da Comissão Nacional de Saúde da China, Ma Xiaowei, disse que a capacidade de transmissão do coronavírus está se fortalecendo e que o número de infecções pode continuar aumentando. Globalmente, a doença já atingiu mais de 2.000 pessoas e matou 56 na China. De acordo com o ministro, o conhecimento das autoridades sobre o novo vírus é limitado e que eles não são claros sobre os riscos decorrentes de mutações do vírus.

Na coletiva, o ministro explicou que o período de incubação do coronavírus pode variar de 1 a 14 dias e que vírus é infeccioso durante a incubação, o que não foi o caso da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), um coronavírus que se originou na China e matou quase 800 pessoas globalmente em 2002 e 2003. As autoridades chinesas anunciaram que estão começando a desenvolver uma vacina contra o vírus, tendo isolado com sucesso uma cepa do vírus.

Ainda na entrevista, o ministro disse que o novo coronavírus pode ter surgido em animais selvagens, apesar disso ainda não estar claro para autoridades. Por conta disso, o país proibiu o comércio de animais silvestres em todo o território em mercados, supermercados, restaurantes e plataformas de comércio eletrônico. Qualquer local que crie animais selvagens deve ser isolado, além disso, o transporte de animais selvagens deve ser proibido, disse o comunicado.

Os esforços de contenção, que até agora incluem restrições de transporte e viagens e o cancelamento de grandes eventos, serão intensificados, disse Ma em uma coletiva de imprensa lotada no segundo dia do feriado do Ano Novo Lunar.

Na contramão disso, a cidade costeira chinesa de Shantou, na província de Guangdong, disse que não proibirá a entrada de carros, navios e pessoas, mas fortalecerá o controle de doenças como esforços de desinfecção, informou a mídia local STRTV, revertendo uma declaração anterior do governo, que tinha dito que impediria carros, navios e pessoas de entrar na cidade a partir de segunda-feira, 27, para ajudar a impedir a propagação do coronavírus.

O vírus que surgiu em Wuhan já se espalhou por cidades chinesas como Pequim e Xangai, além de Estados Unidos, Tailândia, Coréia do Sul, Japão, Austrália, França e Canadá. /REUTERS e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
China [Ásia]víruscoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.