Corpo de suposta vítima de erro médico é enterrado no Rio

Verônica Barros, de 31 anos, estava com coágulo no lado esquerdo da cabeça, mas lado direito foi operado

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

08 Março 2009 | 14h35

Foi enterrado na manhã deste domingo, 8, no Dia Internacional da Mulher, o corpo da dona de casa Verônica Cristina do Rêgo Barros, de 31 anos, no Cemitério de Irajá, na zona norte do Rio. Ela morreu na manhã de sábado supostamente depois de ser submetida a uma cirurgia no lado errado do cérebro.   O clima de revolta tomou conta dos cerca de 50 parentes e amigos que acompanharam o sepultamento. "Assassino, ele matou minha irmã. Esse país não tem Justiça e esse caso vai cair no esquecimento. Onde está o secretário de Saúde? Ninguém do hospital veio para o enterro", gritava e chorava um dos irmãos da vítima, Wellington de Moura Barros.   Foto: Tasso Marcelo/AE   Depois de cair no banheiro e bater a cabeça no último domingo, um coágulo se formou no lado esquerdo de cérebro de Verônica, conforme indicou uma tomografia computadorizada realizada no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, zona norte carioca. No entanto, a cirurgia feita no lado direito da cabeça na segunda-feira.   Três dias depois, o marido de Verônica, Giovani Mattos Dornelles, de 38 anos recebeu uma ligação anônima para seu celular em que uma pessoa dizia ser da equipe de neurocirurgia do hospital, se dizia "indignada e inconformada" com o tratamento dado à dona de casa e contou sobre o erro.   "Depois disso, fomos ao hospital e ela foi novamente operada, mas não teve jeito e ela morreu", contou Giovani. Ontem, o diretor do hospital, César Rodrigues, afastou o neurocirurgião que fez a operação, Pedro Ricardo Mendes, e o chefe da equipe de neurocirurgia da unidade, Thorkil Xavier de Brito foram afastados.   Uma sindicância foi aberta e eles deverão também responder a inquérito criminal instaurado na 22ª Delegacia de Polícia. A família constituiu um advogado que vai processar o Estado em busca de indenização moral e material para os filhos de Verônica, Raiana, de 8 anos, e Renan, de 11.

Mais conteúdo sobre:
erro médico Rio de Janeiro morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.