Corredores amadores sofrem fratura por estresse?

Os corredores amadores têm uma incidência maior de fraturas por estresse dos membros inferiores justamente por serem amadores. É lógico que esta afirmação não se aplica a todos. Existem muitos amadores que treinam e se comportam como profissionais, só não recebem por isto. As fraturas por estresse estão relacionadas a distúrbios mecânicos, geralmente dos membros inferiores, os mais acometidos A maior causa destas fraturas é um desequilíbrio da musculatura de perna e pé. Músculos desequilibrados não distribuem bem as cargas a que são submetidos e sobrecarregam as estruturas ósseas Outro aspecto importante a ser salientado é o nutricional. Quando há uma má qualidade de ingestão de proteínas e cálcio na dieta do corredor, ele estará mais sujeito às fraturas por estresse. Isto é muito mais sentido pelas mulheres, que possuem variações dos seus níveis hormonais. Estatísticas mostram uma maior incidência de fraturas por estresse em mulheres caucasianas que apresentam distúrbios hormonais. Os aspectos que podem ser abordados como preventivos são: boa qualidade do treinamento, que ele seja ajustado à capacidade física do corredor. Progressão moderada entre os estágios de treinamento. Cuidar do equilíbrio muscular. Ter uma dieta adequada à quantidade de treino e usar um calçado com boa capacidade de absorção de impacto. *ortopedista, traumatologista, médico do esporte e chefe do Grupo de Amputados da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.