ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Corujão terá exames em clínicas populares

Gestão Doria fará parceria com redes como a Dr. Consulta para tentar zerar fila

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

18 Janeiro 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Após firmar convênio com hospitais privados, a gestão do prefeito João Doria (PSDB) fará parcerias também com clínicas populares para tentar zerar a fila de espera por exames na rede municipal por meio do programa Corujão da Saúde.

A Prefeitura divulgou nesta terça-feira, 17, uma lista com as 20 instituições particulares que já aderiram ou deverão formalizar nos próximos dias a adesão ao projeto. Entre os parceiros estão a Dr. Consulta e a Megamed, duas das redes de clínicas populares que ganharam força nos últimos anos com o aumento de brasileiros que ficaram sem plano de saúde após perderem o emprego.

Como atrativos aos clientes, as clínicas oferecem agendamento rápido, fácil acesso às unidades (algumas localizadas dentro de estações do Metrô), preços baixos e parcelamento do valor do atendimento em até dez vezes sem juros.

Maior rede do tipo, a Dr. Consulta teve sua primeira unidade inaugurada em 2011 e, em apenas seis anos de existência, já chegou a 28 clínicas em toda a Grande São Paulo. A empresa começou focada na oferta de consultas com especialistas a um preço inferior a R$ 100, mas hoje faz também mais de 1 mil tipos de exames.

A Megamed foi inaugurada em 2013 e tem uma única unidade, em Artur Alvim, zona leste, mas deverá abrir a segunda clínica em breve, segundo informações do site da empresa.

Procuradas, a Dr. Consulta confirmou o interesse em participar do Corujão, mas disse que ainda está analisando as condições do edital. Nenhum representante da Megamed foi localizado nesta terça.

Fazem parte ainda da lista das 20 instituições privadas que participarão do programa os hospitais Albert Einstein, Edmundo Vasconcelos, Sepaco, Santa Casa de Santo Amaro, Santa Marcelina de Itaquera e Cruz Azul, que já começam a atender nesta semana; Santa Casa de São Paulo, Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho, Cetrus, Dasa-Lavoisier, Hospital Santa Joana, Beneficência Portuguesa, Aviccena, Hospital Presidente e Tadao Mori, que gradativamente entrarão no Corujão; além dos Hospitais Sírio-Libanês, Oswaldo Cruz e HCor, que já iniciaram o atendimento na semana passada.

A rede Dasa-Lavoisier será a instituição a oferecer o maior número de exames (16.380).

Juntas, todas as unidades privadas vão ofertar aos pacientes da rede municipal cerca de 61,6 mil exames. Segundo a secretaria, elas receberão da Prefeitura o valor da tabela SUS pelo procedimento realizado.

Os demais exames serão feitos pelas unidades próprias da rede municipal em horários alternativos, de acordo com a capacidade ociosa de cada centro médico.

Balanço. Também nesta terça, a Prefeitura divulgou o balanço da primeira semana do Corujão da Saúde. Segundo a pasta, 25 mil exames foram feitos e 243,5 mil pacientes tiveram seus procedimentos agendados, o equivalente a pouco mais da metade da fila de espera, que hoje tem 485 mil nomes.

Cerca de 137,1 mil foram agendados para janeiro, outros 79,9 mil para fevereiro e 20,6 mil para março. A promessa de campanha de Doria é zerar a fila em três meses. Os pacientes que estão na espera há mais de seis meses terão de passar por uma consulta de reavaliação médica antes de agendar os exames. A Prefeitura firmou parceria com a Santa Casa de São Paulo para a realização desses atendimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.