Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Covas assina protocolo e confirma abertura de academias a partir de segunda-feira

Locais terão de funcionar no máximo por seis horas por dia, limitar acesso a 30% da capacidade e proibir atividades em grupo

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

10 de julho de 2020 | 19h43

As academias poderão reabrir em São Paulo a partir de segunda-feira com um limite de 30% da capacidade e restrição de entrada, mediante agendamento prévio dos alunos e com um limite de abertura de seis horas por dia. O prefeito Bruno Covas (PSDB) assinou na tarde desta sexta-feira, 10, um protocolo de entendimentos em que entidades que representam o setor se comprometem a seguir regras de segurança para evitar a propagação do coronavírus. 

“Segunda-feira, vamos perder esse pneuzinho aí, heim”, disse Covas, em uma fala rápida durante a cerimônia de assinatura dos protocolo de segurança do setor, se dirigindo ao presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma (PSDB), que participou da cerimônia. 

Aulas em grupo continuam suspensas e haverá restrição para o uso de bebedouros e vestiários, que devem ter banheiros abertos mas os chuveiros fechados. Os alunos terão de levar suas próprias garrafas de água e demais materiais de higiene, como toalhas. Os equipamentos, como pesos e aparelhos de musculação, terão de ser higienizados no mínimo a cada duas horas mas, preferencialmente, a cada troca de aluno. 

Mesmo atividade ao ar livre, como corridas, terão de ser feitas de forma individual. Instrutores terão de pedir que os alunos levem suas próprias garrafinhas. 

As regras devem ser publicadas no Diário Oficial da Cidade deste sábado, 11. "A recepção deverá ser isolada com área de proteção demarcada com fita zebrada em 1,5 metro", informou a Prefeitura, por nota.

"As salas de treino de peso livre e nas salas de atividades coletivas deverão ser delimitadas de maneira que cada cliente fique a 2 metros de distância um um do outro. Só poderão ser utilizados apenas 50% dos aparelhos de cardio, deixando o espaçamento de um equipamento sem uso para o outro. Está proibida qualquer forma de luta e contato físico durante o treino, mesmo que seja para orientação", informa o texto.

Todos os funcionários que apresentarem sintoma gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem covid-19, devendo ser testados (PCR-RT) antes da reabertura dos estabelecimentos, só podendo retornar às atividades após 15 dias do primeiro sintoma, caso todos os sintomas tenham findado, ou caso esteja munido do resultado negativo;

Os atletas e usuários das academias somente poderão frequentá-lo mediante agendamento prévio, sendo proibida sua entrada no estabelecimento fora dessa escala de horários; Durante o agendamento, o funcionário deverá realizar pesquisa em caráter informativo, questionando se o cliente apresenta sintomas de covid-19. Caso o cliente apresente quaisquer sintomas relativos à covid-19, é necessário informar-lhe que seu comparecimento não está autorizado, recomendando-lhe a busca de auxílio médico, se cabível

No caso das piscinas, elas "devem ser  divididas por  turmas, com separação por raias, de acordo com o nível de aprendizagem dos alunos. Para reduzir o número de pessoas, recomenda-se diminuir também a duração das aulas".

Já as quadras de esportes, "não será permitida a entrada de acompanhantes ou atletas fora do horário dos seus jogos. As aulas deverão ser individuais e o recolhimento das bolas deverá ser feita por uma única pessoa, seja ela professor, funcionário ou aluno responsável".

Saunas, banhos turcos, hidromassagem, jacuzzi e similares terão de continuar fechados.

Uma das justificativas para a reabertura das academias foi o papel que esses estabelecimentos têm na promoção da saúde pública. Após o governo do Estado informar que iria liberar as academias, cresceu a pressão para que os parques da cidade também fossem liberados – e a autorização para que eles também reabrissem se deu nesta quinta-feira, 9.

“O setor de academias, como todos sabem, estava previsto (para ser liberado) na fase 4 (do plano de reabertura econômica do Estado, o Plano São Paulo) e, recentemente, o governo do Estado antecipou, de forma mais criteriosa, com muito mais regras do que o previsto inicialmente, com apenas 30% da capacidade, e rapidamente nós conseguimos, nessa semana, conversar com a vigilância sanitária para poder assinar esse protocolo”, disse o prefeito. 

Covas disse que a cidade está passando pelo processo de reabertura “sem até agora repetir os erros que a gente tem visto mundo afora de cidades que tiveram processo de flexibilização e, alguns dias depois, tiveram de retroceder, e voltar a fechar, voltar a decretar lockdown”.

As regras são uma determinação do governo do Estado, e valem para todas as cidades que estão na fase 3, amarela, do Plano São Paulo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.