Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Coveiros 'astronautas', quatro parentes e nada de abraços: assim Nazareno, 72 anos, foi enterrado

Cuidados especiais tiveram de ser tomados antes mesmo que o resultado do exame confirmasse que a morte foi, de fato, provocada pelo novo coronavírus

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2020 | 20h31

RIO - Apenas quatro familiares acompanharam, às 15h15 desta quarta-feira (1º), o enterro de Nazareno Costa, de 72 anos, no cemitério São Francisco Xavier, no Caju (região portuária do Rio). Os coveiros vestiam luvas, máscaras e outros equipamentos de proteção. Costa morreu com suspeita de covid-19. O enterro, realizado antes que o resultado do exame fique pronto e confirme ou descarte a contaminação, exigiu os cuidados especiais. O homem sepultado morava na Baixada Fluminense, periferia da Região Metropolitana fluminense.

“Os coveiros estavam parecendo astronautas”, disse o pastor Ismael China, amigo da família há anos e convidado a prestar assistência espiritual. “Normalmente a gente encheria dois ônibus com amigos e familiares e traria ao cemitério para acompanhar a cerimônia, mas nessa situação não dá, seria muito perigoso.”

Integrante da  Assembleia de Deus Ministério Plantar, no Jacarezinho (zona norte do Rio), China lamentou que a suspeita de possível contaminação tenha impedido amigos de se despedir de Nazareno e impossibilitado os abraços de consolo. “Acompanhei vários velórios e enterros nas últimas semanas, e este é o primeiro envolvendo alguém suspeito de ter morrido devido ao coronavírus. Todo enterro é triste, mas essa situação é diferente, pior ainda. É uma pena, não tem aquele momento afetivo, não podemos cumprimentar as pessoas”, afirmou. “Os familiares que conviveram com o senhor Nazareno nos últimos dias, antes de ele adoecer, continuam tensos, porque não sabem se foram contaminados. E a mulher dele é idosa.”

Segundo China, Costa morava no Jardim Anápolis, em Belford Roxo (Baixada Fluminense). “No sábado a filha dele, Patrícia, que frequenta a igreja no Jacarezinho, me ligou contando que o pai estava doente e havia sido internado. Passei a acompanhar a situação e pedir por ele, mas foi tudo muito rápido. Em três dias seu Nazareno morreu”, narrou o pastor. “Ele teve gripe, e tudo leva a crer que foi mesmo o coronavírus”.

O pastor disse ainda que “a partir de agora vai ser assim, vamos aprender a fazer cerimônias onde não será permitido se aproximar, dar um abraço". Abalada, a família de Costa preferiu não conversar com a reportagem.

Velório pela internet

Para evitar o risco de contaminação, o Cemitério da Penitência, vizinho do São Francisco Xavier, no Caju, oferece o velório virtual, criado antes mesmo da pandemia. O pacote com esse tipo de velório inclui cerimonial com projeção de vídeo com mensagens de despedida, pétalas de rosa e gelo seco, em capela para até 150 pessoas. Tudo custava R$ 4,5 mil ou R$ 5,5 mil, conforme a capela escolhida, mas até 30 de abril a parte virtual não está sendo cobrada. Há , porém, os custos regulares de um enterro.

Em março, o número de velórios online aumentou 33% em relação a fevereiro. Já o serviço de cremação registrou aumento de 44,4%. Com base nos atestados de óbito, a administração do cemitério informou que em março atendeu nove casos confirmados e quatro casos suspeitos de covid-19.

Para combater a disseminação do coronavírus, o cemitério restringiu o tempo de duração dos velórios. Agora, devem ocorrer em no máximo duas horas e, para casos suspeitos de covid-19, em uma hora. Nesses , as cerimônias são realizadas em tendas abertas, com o caixão fechado. O visor pode ficar aberto por 30 minutos, mas com um vidro de proteção interna que evita  contato do corpo com o ambiente . Em casos confirmados da doença, o cemitério repete a orientação do Ministério da Saúde para que o corpo seja cremado, sem realização de velório.

Outras medidas da administração do cemitério foram aumentar o número de equipamentos que oferecem álcool gel aos frequentadores; distribuir as cadeiras dentro das capelas de modo que fiquem a pelo menos dois metros de distância umas das outras; permitir o acesso à capela de apenas dez pessoas por vez; e orientar que só uma pessoa de cada vez tenha acesso ao caixão.

A concessionária Rio Pax, que administra seis cemitérios municipais, entre eles o de São João Batista, em Botafogo (zona sul), afirmou que passou a recomendar velório a céu aberto, com poucos familiares, em casos de covid-19. A concessionária informou ainda que em março ocorreram dois sepultamentos de vítimas da doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.