Matias Delacroix/ AP
Matias Delacroix/ AP

Covid-19: taxa de positividade aumenta de 9,6% para 15,3%, diz Abrafarma 

Nas últimas semanas, figuras públicas como o pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSB), pré-candidato a vice-presidência da República, foram diagnosticados

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2022 | 16h35

SÃO PAULO - Diante das medidas de relaxamento contra o novo coronavírus, como o fim da obrigatoriedade das máscaras em diferentes Estados, a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) registrou aumento na taxa de testes positivos nas farmácias. O índice saltou de 9,65%, na semana entre 11 e 17 de abril, para 15,3% na semana entre 18 e 24 de abril, dados mais recentes. Nos últimos dias, figuras públicas como o pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) e o pré-candidato a vice-presidência Geraldo Alckmin (PSB) foram diagnosticados com a covid-19. 

Conforme a Abrafarma, foram 67.314 testes rápidos realizados, das quais 10.307 indicaram diagnóstico para o novo coronavírus. Já entre 11 e 17 de abril, foram registrados 5.677 testes positivos. Segundo a entidade, o aumento de casos coincide com a flexibilização de medidas no combate ao novo coronavírus.

Especialistas afirmam que o risco de um novo tsunami de infecções é baixo, diante das elevadas taxas de vacinação no País, mas é possível que tenhamos nova alta de casos. Embora grande parte da população tenha tomado a vacina, médicos reforçam a importância de tomar a dose de reforço - no caso dos adultos, a 3ª, e no caso dos idosos ou imunossuprimidos, a 4ª injeção. Além disso, recomenda-se aos grupos vulneráveis evitar aglomerações e usar máscaras em ambientes fechados. 

Desde o início do ano, com retorno no esquema híbrido ao trabalho, a publicitária Kátia Oliveira, de 45 anos, realizou um teste de covid em farmácia e também fez o autoteste em casa. Segundo ela, a realização das testagens foram recomendadas após a confirmação de casos no escritório onde trabalha.

"Em ambas as vezes, meu teste deu negativo. Fiz porque teve casos de covid onde trabalho. No último mês, pelo menos três pessoas com quem tive contato testaram positivo. Não tive sintomas, mas por precauçã, procuro realizar o teste quando tenho conhecimento de casos positivos", disse Kátia.

Em nota, a Droga Raia e a Drogasil informaram que, nos últimos meses, a demanda deste serviço cresceu 10%. Os pacientes que quiserem realizar o teste rápido nos estabelecimentos, que é feito pelo farmacêutico, podem fazer o agendamento pelos sites ou aplicativos das drogarias.

O valor do teste de covid-19 realizado pelo farmacêutico varia em torno de R$ 100. Já os autotestes disponíveis nos estabelecimentos de saúde, assim como farmácias, têm o custo médio de R$ 70 o valor unitário.

Quase 90% dos autotestes de covid-19 deram negativo entre março e abril

Com relação aos autotestes comercializados em farmácias, a Abrafarma afirma que 88% dos autotestes realizados no Brasil, entre março e abril deste ano, deram negativos, com variação na taxa de positivos entre os Estados de 11% a 35%.

Neste período, 32 mil pessoas acessaram aplicativo de autoteste da covid. Ao todo, mais de 54% são do sexo feminino. A faixa etária das pessoas que realizam a autotestagem em casa varia de 14 aos 80 anos.

Entre os Estados que mais realizam os autotestes estão: São Paulo, Rio Gande do Sul, Paraná, Minas, Santa Catarina, Rio e Bahia. Ainda conforme a entidade, mais de 70% dos usuários do autoteste relataram sintomas, sendo a taxa de resultados positivos quatro vezes maior nessas pessoas em comparação com pessoas assintomáticas.

Resultados de autotestes covid-19 nos Estados com maior volume de acessos, segundo a Abrafarma

          Estados                                    % Positivos                % Negativos

  • São Paulo                                            19%                                    81%
  • Rio Grande do Sul                            30%                                    70%
  • Paraná                                                 35%                                    65%
  • Minas Gerais                                      25%                                    75%
  • Santa Catarina                                   14%                                    86%
  • Rio de Janeiro                                   11%                                     89%
  • Bahia                                                   18%                                    83%

Em 28 de janeiro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a liberação de autotestes de covid-19 no Brasil. Está permitida a comercialização em farmácias e em estabelecimentos de saúde licenciados para vender dispositivo de diagnóstico in vitro. O primeiro autoteste recebeu aprovação da agência reguladora em 17 de fevereiro.

Conforme última atualização no painel da Anvisa, ao menos 29 empresas estão autorizadas a comercializarem autotestes no Brasil.

Para realizar o teste em casa, a pessoa precisa fazer uma coleta da secreção das narinas, seguindo as instruções de uso. Todos os materiais necessários para realizar o teste, como instruções, cotonetes, dispositivos de teste e reagentes são fornecidos na embalagem. Além disso, o resultado pode ser verificado em até 15 minutos.

O indivíduo deve seguir todas as instruções do fabricante e a partir de um resultado positivo procurar atendimento médico. A partir do resultado positivo, deve procurar uma unidade de atendimento de saúde ou teleatendimento para que o profissional de saúde, mediante às estratégias já postas, realize a confirmação do diagnóstico, notificação e orientações pertinentes de vigilância e assistência de saúde.

No domingo, 8, o Brasil estava com média de 89 mortes diárias por covid-19. Chamada de “média móvel”, a taxa é calculada a partir dos dados dos últimos sete dias para evitar distorções nos fins de semana e feriados, quando ocorre redução na avaliação dos testes. Ao todo, o País chegou a 664.189 mortes e 30.559.799 casos positivos do coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.