Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados
Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Covid: Maia diz que Congresso discutirá calendário de vacinação e fala em 'pânico' da sociedade 

Ministério prevê começar imunização só em março, mas outros países já anunciam imunização a partir dos próximos dias

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2020 | 18h50

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ter a expectativa de votar até quinta-feira, 10, uma medida provisória pela qual a Casa poderá participar da definição da estratégia de vacinação contra a covid-19. O Ministério da Saúde prevê iniciar a imunização só em março, mas países da Europa e até da América Latina, como o México, já se organizam para começar ainda este mês. O governo paulista anunciou início da vacinação para janeiro, mas o imunizante comprado, a Coronavac, ainda não teve os resultados de eficácia divulgados. 

"É muito grave que o Brasil não defina logo um plano, não resolva de forma definitiva qual é o caminho", disse o presidente da Câmara, em coletiva à imprensa, nesta segunda-feira, 7. Se não for votado na quinta, o prazo máximo é de o texto ser deliberado até o início da próxima semana.

Maia não citou qual seria a MP, mas uma das medidas que aguardam deliberação por parte da Câmara é a 1.003, que autoriza o governo federal a aderir ao Instrumento de Acesso Global de Vacinas Covid-19 - Covax Facility, consórcio de acesso a imunizantes liderado pela Organização Mundial da Saúde.

Questionado sobre se essa votação poderia definir um cronograma, Maia respondeu que sim e que já pediu ao relator que conversasse com o ministério sobre o assunto. Segundo o presidente da Câmara, seria melhor organizar essa pauta conjuntamente com o governo federal, mas o Legislativo, "de qualquer jeito", vai dar sequência a esse debate. "Vamos avançar de qualquer jeito, até porque o STF também vai avançar. E acho que o melhor caminho é que se faça de maneira integrada entre Executivo, Legislativo e depois a decisão final do Supremo", disse Maia.

"O ideal é que se organize isso em conjunto, que a gente tenha um plano para isso porque as pessoas vão começar, e começaram já a entrar em um certo pânico, um pânico grande", continuou. O deputado a citou a possibilidade de pessoas que já tiveram covid-19 serem contaminadas novamente. "E a segunda vez está vindo pior do que a primeira", disse.

Questionado ainda se poderia ser aplicada para a vacina a lei segundo a qual a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem até 72 horas para aprovar medicamentos e equipamentos contra a covid-19 já liberados para uso no exterior, Maia respondeu que "em tese, poderia". No entanto, ressaltou que uma "regra objetiva" daria mais segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.