Denny Cesare/Estadão
Denny Cesare/Estadão

Cremesp abre sindicância contra cirurgião do CE

O médico Danilo Rocha Dias será investigado pela morte de uma paciente durante uma cirurgia plástica realizada no dia 9, em um hospital do Ipiranga, na zona sul de São Paulo

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2019 | 03h00

SÃO PAULO - O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) instaurou sindicância contra o médico Danilo Rocha Dias pela morte de uma paciente durante uma cirurgia plástica realizada no dia 9, em um hospital do Ipiranga, na zona sul de São Paulo. O procedimento foi aberto após o Estado revelar que o cirurgião que atuou na cirurgia da vítima já era investigado por pelo menos outros quatro supostos erros médicos no Ceará. Em um deles, a paciente também morreu.

Após a divulgação da reportagem, o corregedor do Conselho Federal de Medicina (CFM), José Fernando Maia Vinagre, declarou que vai pedir esclarecimentos ao Conselho de Medicina do Ceará (CRM-CE) sobre os procedimentos adotados diante das denúncias feitas contra Dias.

Vinagre diz que a corregedoria teve conhecimento apenas de um processo ético-profissional contra o cirurgião. Mas, segundo vítimas ouvidas pelo Estado, pelo menos duas denúncias foram feitas ao conselho - a primeira em 2016 e a segunda, no ano passado.

“Em julho de 2018, encaminhamos um ofício ao CRM-CE, dentro do processo da Camilla (Uckers, uma das pacientes que ficaram com sequela), listando outros quatro casos de pacientes prejudicadas pelo doutor Danilo, inclusive o caso da Lia Pacheco, que morreu, e pedimos a cassação do registro profissional dele, mas nada foi feito”, relata Antonio Werner Feitosa, advogado que representa três das pacientes.

Ao tomar conhecimento pela reportagem do ofício, o corregedor do CFM afirmou que vai cobrar explicações. “Vou solicitar ao conselho do Ceará ou ao próprio corregedor que informe o que realmente aconteceu (a partir dessas denúncias)”, declarou.

O Estado pede, desde quinta-feira, 28, esclarecimentos para o CRM-CE, sem sucesso. Procurado por e-mail e telefone, o assessor de imprensa do órgão não deu retorno.

A reportagem também tentou contato novamente com o cirurgião Danilo Rocha Dias, mas ele não respondeu ao pedido de entrevista. Na quinta, afirmou que seguiu todas as regras de segurança nas cirurgias e negou que tenha agido com imperícia ou imprudência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.