Reprodução
Reprodução

Cremesp vai apurar esterilização de mulher

Conselho Regional de Medicina abriu sindicância para investigar conduta do médico que fez laqueadura em Janaína Aparecida Quirino

Rene Moreira, Especial para O Estado

12 Junho 2018 | 21h44

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) abriu nesta terça-feira, 12, sindicância para investigar a conduta do médico que fez laqueadura em Janaína Aparecida Quirino, de 36 anos, após decisão judicial. A Defensoria Pública afirma que ela foi esterilizada sem ter sido ouvida, o que é ilegal.

Presa com o marido em novembro, em Mococa (SP), sob acusação de tráfico de drogas, Janaína já teve oito filhos, mas perdeu a guarda de quatro - três crianças já foram adotadas e a quarta espera o processo.

++ Promotor e juiz que mandaram esterilizar mulher são os mesmos que atuam em sua ação criminal

Após a prisão, Janaína, grávida de seis meses, foi mandada para a Penitenciária Feminina de Mogi Guaçu (SP). Em fevereiro, após dar à luz, foi encaminhada, em condução coercitiva, para a realização de laqueadura na Santa Casa local.

O pedido para que Janaína fosse esterilizada partiu do promotor Frederico Barruffini sob o argumento de que só um procedimento do tipo seria “eficaz para salvaguardar a sua vida”.

A solicitação foi aceita pelo juiz Djalma Moreira Gomes Junior, que considerou o fato de os filhos de Janaína somarem passagens por abrigos do município e não poderem ficar com ela por causa do consumo de “álcool e outras drogas”. Diante da decisão, a prefeitura foi obrigada a realizar a cirurgia. A esterilização aconteceu após o parto, o que contraria o artigo 10 da Lei de Planejamento Familiar, e antes do julgamento em segunda instância do caso, após a prefeitura de Mococa recorrer.

O Estado levantou uma série de documentos sobre o caso, mas não localizou nenhuma declaração da mulher favorável ou contra a laqueadura. O juiz afirma que ela “estava de acordo”. 

Uma equipe da Defensoria Pública de São Paulo deve ir à penitenciária onde Janaina está presa para ouvi-la e lhe oferecer assistência. “Vamos verificar se ela sabia que ia fazer a laqueadura no momento do parto. O mais grave que poderia ocorrer com ela já foi feito”, disse a defensora Paula Machado Souza. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também a ouvirá. 

Em nota, o Tribunal de Justiça disse que “não se manifesta sobre processos em andamento” e que o caso foi encaminhado para apuração da Corregedoria-Geral da Justiça. O Ministério Público Estadual afirmou que o procedimento foi realizado com base em decisão judicial e que a Corregedoria instaurou reclamação disciplinar para apurar o caso. / COLABOROU PAULA FELIX

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.