Cresce atendimento da PM para bebês sufocados ao mamar

De janeiro a agosto deste ano, foram 104 chamados, contra 120 em todo o ano de 2009

Agência Estado

16 Setembro 2010 | 16h02

SÃO PAULO - "Coloque o bebê de bruços no colo com a palma de uma das mãos apoiada. Com a outra, bata levemente nas costas dele." As orientações para a manobra que ajuda uma criança a desengasgar têm sido cada vez mais repetidas por policiais militares. Isso porque aumentou o número de ligações atendidas por eles no Centro de Operações da Polícia Militar (Cobom) da capital com ocorrências dessa natureza. Só em agosto, foram 15 chamados, contra a média mensal de 11.

De janeiro a agosto deste ano, foram 104 atendimentos desse tipo. Em todo o ano de 2009, foram 120 ligações. Segundo a PM, o principal causador desses acidentes é o leite materno.

Para a PM, esse aumento é atribuído à divulgação na imprensa de casos em que policiais salvaram uma criança por telefone. "Nessas situações, cada segundo é precioso para ajudá-la a desengasgar", diz o porta-voz da PM, tenente Cleodato Moisés.

De janeiro a agosto deste ano, foram 104 atendimentos desse tipo. Em todo o ano de 2009, foram 120 ligações. Segundo a PM, o principal causador desses acidentes é o leite materno.

"O bebê pode se sufocar porque ainda está aprendendo a controlar a respiração e a mastigação", afirma a coordenadora nacional da ONG Criança Segura, Alessandra Françoia. Em situações como essa, a PM deve ser acionada. Após a criança melhorar, ela deve ser levada para uma unidade de saúde para verificar se o engasgamento não causou lesões internas.

O sufocamento é a primeira causa de morte entre crianças de até 1 ano de vida e a terceira causa entre acidentes com adolescentes abaixo de 14 anos. Os dados mais recentes do Ministério da Saúde mostram que o número de mortes de crianças por sufocamento também aumentou: de 698 em 2006 para 702 em 2007. As informações são do Jornal da Tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.