Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Crianças de creches receberão suplemento nutricional

Governo lança programa para combater anemia; pesquisa mostra que 20% dos brasileiros com menos de 5 anos sofrem do problema

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

02 Março 2015 | 13h40

Atualizada às 19h21
NITERÓI - Uma em cada cinco crianças de até cinco anos sofre de anemia; 17% delas têm falta de vitamina A. Para prevenir a anemia e controlar carências de vitaminas, foi lançado nesta segunda-feira, 2, um programa de suplementação nutricional nas creches públicas do País. O NutriSUS beneficiará 330 mil crianças, de 1.717 municípios. 
A anemia nos primeiros anos de vida pode causar danos ao desenvolvimento psicomotor das crianças, com repercussão no aprendizado e na capacidade produtiva. A falta de vitamina A pode provocar deficiência visual. A ausência dos nutrientes também favorece doenças infecciosas e respiratórias, além de levar à desnutrição e à morte.
O programa, lançado pelos Ministérios da Saúde, Desenvolvimento Social e Combate à Fome e da Educação, prevê que cada criança consuma um sachê diário composto de ferro e outros 14 micronutrientes. O pozinho é adicionado à comida já servida na creche. Como não tem gosto, é facilmente aceito pelas crianças. As cuidadoras costumam misturar o produto na primeira colherada - se a criança deixar comida no prato,
terá garantido a porção ideal de nutrientes.

O programa prevê o fornecimento de 60 sachês por criança, com intervalo de 4 meses, sucessivamente, até que o aluno complete 4 anos. Participam do programa 6,8 mil creches - dois terços delas na Região
Nordeste. O governo federal prevê gastar R$ 12,5 milhões para a compra de 40 milhões de sachês em 2015.
“Já nasceu a primeira geração de crianças livres da fome e que estão na escola. O Brasil saiu do mapa da fome, mas isso não é suficiente. Queremos nossas crianças sem anemia e crescendo”, afirmou a ministra de Desenvolvimento Social, Tereza Campello, depois de lançar o programa numa creche em Itaipu, em Niterói (cidade no Grande Rio).
O ministro da Saúde, Arthur Chioro, lembrou que ao receber a quantidade ideal de nutrientes previne-se a desnutrição, mas também a obesidade. Ele citou ainda pesquisa da Universidade de São Paulo, que avaliou o projeto piloto do NutriSUS - em oito meses, reduziu-se a anemia em 38% e a deficiência de vitamina A em 20%. 
“Aqui a gente sabe o que elas comem. Mas não podemos garantir que a comida de casa tenha qualidade. Criança com fome não aprende”, afirmou a professora Mariney da Silva, diretora da creche Creche Professora Odete Rosa da Mota, onde o programa foi lançado.

Mais conteúdo sobre:
Nutrição Anemia Creches

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.