Crise econômica leva mais americanas a vender seus óvulos

Clínicas podem pagar até US$ 10 mil, mas candidatas precisam ser jovens, saudáveis e de bons antecedentes

Reuters,

27 Fevereiro 2009 | 16h19

Atraídas por ofertas de até US$ 10 mil, cada vez mais mulheres estão oferecendo seus óvulos a clínicas de fertilização artificial como um meio de fazer caixa durante a crise.   Nicole Hodges, uma atriz de 23 anos que está sem trabalho desde novembro, disse ter decidido vender óvulos por estar precisando desesperadamente de dinheiro.   "Ainda estou pagando a faculdade. Tenho contas de carão de crédito e, sabe, Nova York é tão cara", disse ela, que foi aceita como doadora e está aguardando ser escolhida por um casal.   Nicole disse que também há a satisfação de ajudar um casal infértil a ter filhos. "Sim, o dinheiro é ótimo, mas é ótimo ser capaz de permitir que uma mãe que quer ser mãe seja mãe", disse.   Organizações de fertilidade de todo o país afirmam que o interesse vem crescendo. O Centro de Opções de Óvulos de Illinois assistiu a um aumento de 40% nas consultas feitas por doadoras em potencial desde o início de 2008.   O Grupo de Fertilidade Assistida Northeast, de Nova York, disse que o interesse dobrou o Centro Colorado de Medicina Reprodutiva disse ter recebido 10% mais consultas.   A Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva recomenda que o total de pagamentos feitos a uma doadora não supere US$ 10 mil.   Um estudo realizado pela sociedade determinou que o pagamento médio, nos EUA, é de US$ 4.216. pagamentos por clínicas na região Nordeste do país têm média pouco superior a US$ 5 mil, e na Noroeste, pouco mais de US$ 3 mil.   Katherine Bernardo, gerente do programa de doação de óvulos da Northeast, disse que nem todas as candidatas são aceitas.   "Há um clima econômico que encoraja as mulheres a descobrir meios criativos de ganhar dinheiro", disse ela. "Isso não significa que qualquer interessada em doar de fato chega a doar, porque muito poucas mulheres são elegíveis".   Ela disse que de 5% a 7% das solicitações que recebe se traduzem na remoção de óvulos. Uma candidata ideal, disse, tem cerca de 20 anos, é saudável, atraente e tem estudo.   Doadoras de óvulos passam por avaliação médica, psicológica e testes genéticos, be, como um levantamento de antecedentes. Se escolhida, a doadora deve passar por uma série de injeções de hormônio até que os óvulos estejam prontos para remoção.

Mais conteúdo sobre:
fertilização óvulos crise mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.