Nicolas Bock/Bloomberg
Nicolas Bock/Bloomberg

Critérios para uso emergencial da Coronavac na China não são transparentes, diz Anvisa

Agência fez declaração no âmbito de um comunicado sobre vacinas emergenciais e o novo prazo de dez dias para deliberação sobre esses imunizantes. Coronavac obteve liberação emergencial na China em junho e, no Brasil, integra a principal aposta do governo de São Paulo

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2020 | 05h00

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse que os critérios para a autorização de uso emergencial da Coronavac na China “não são transparentes e não há informações disponíveis sobre os critérios atualmente empregados pelos órgãos chineses para essa tomada de decisão”. A autorização foi obtida para a Coronavac em junho no país asiático. 

A declaração da agência brasileira foi dada no âmbito da divulgação do prazo de dez dias para decisão sobre uso emergencial de vacinas em solo brasileiro. A Anvisa reforçou sua posição sobre autorizações automáticas de uso a partir de liberações concedidas por agências reguladores estrangeiras. 

“Caso venha a ser autorizada a replicação automática estrangeira no Brasil, sem a devida submissão de dados à Anvisa, são esperados o enfraquecimento e a retardação na condução do estudo clínico no Brasil, além de se expor a população brasileira a riscos que não serão monitorados pela empresa desenvolvedora da vacina”, explicou. 

Sobre as autorizações emergenciais, a Anvisa disse se tratar de uma “solução transitória, para um público-alvo restrito, que deve ser constantemente monitorado e ajustado”. “É consenso internacional que a AUE (autorização de uso emergencial) é uma alternativa válida, mas que somente deve ser considerada em atendimento à legislação e aos regulamentos técnicos nacionais específicos de cada país, considerando ainda questões éticas e científicas inerentes a cada nação”, declarou a agência brasileira.

A Anvisa disse ainda ser preciso considerar a “potencial influência de questões relacionadas à geopolítica”, o que, segundo a agência, pode “permear as discussões nacionais e eventualmente decisões de autoridades estrangeiras relacionadas à vacina da covid-19”. 

A Coronavac está sendo desenvolvida no Brasil com a participação do Instituto Butantã. O imunizante se encontra em fase 3 de estudos e o governo de São Paulo planeja usá-lo a partir do dia 25 de janeiro, data que marcaria o início da campanha de vacinação.

Apesar dessa previsão, os dados sobre eficácia ainda não foram apresentados à Anvisa, que possui a competência de concessão do registro do produto. O Butantã prevê apresentar os dados no dia 23 deste mês, após um novo adiamento da divulgação dos números

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.