Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Crivella libera camelôs no Rio; comércio em geral segue fechado

Capital fluminense está em reabertura gradual desde a última terça-feira, 2

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2020 | 15h11

RIO - A Prefeitura do Rio liberou 14 mil vendedores ambulantes licenciados para retomar suas atividades na capital fluminense. Assim como a maior parte do comércio em geral, os camelôs não haviam sido contemplados na flexibilização da quarentena anunciada pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) no decreto assinado na segunda-feira, mas foram incluídos em edição extra do Diário Oficial no dia seguinte.

O relaxamento da quarentena anunciado na segunda autorizou o retorno às atividades apenas de lojas de móveis e decoração, além das concessionárias de veículos. Crivella considera que esse tipo de comércio não causa aglomeração, e a liberação permitiria o início de uma abertura que ele classificou como "lenta, gradual e com segurança".

O trabalho dos camelôs — que em muitos casos trabalham em bancas próximas umas às outras —, no entanto, pode causar aglomeração. E isso num momento em que a cidade do Rio apresenta aumento no número de mortes por covid-19.

Na quarta-feira, 3, o Estado bateu recorde de registro de óbitos pelo novo coronavírus: foram 324, elevando o total a 6.010 desde o início da pandemia. Ao todo, 59.240 casos da doença já foram confirmados, dos quais 32.951 apenas na capital.

O prefeito tem justificado a abertura gradual das atividades comerciais alegando que o município do Rio zerou a fila de espera para UTIs. Nesta quinta, 4, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 na rede SUS da cidade — que inclui unidades de saúde também geridas pelo Estado e pelo governo federal — é de 90%. Já a taxa de ocupação nos leitos de enfermaria para pacientes com suspeita de covid é de 55%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.