Tomaz Silva/Agência Brasil
Tomaz Silva/Agência Brasil

Crivella mantém regras de isolamento no Rio, mas coloca igrejas na lista de serviços essenciais

Prefeito afirmou que atividade é 'importante para a população'. Na próxima semana, existe a possibilidade de a gestão municipal autorizar a abertura de lojas de móveis e concessionárias de veículos

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2020 | 13h42

RIO - O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), declarou nesta segunda-feira, 25, que as medidas atuais de isolamento vão permanecer válidas na cidade nesta semana. Crivella, contudo, indicou que o Rio poderá afrouxá-las no início de junho. Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, o prefeito também decidiu incluir as igrejas na lista de serviços essenciais.

“Não vamos relaxar as medidas de afastamento social. Devemos esperar mais um período para recomeçar o retorno às atividades”, disse Crivella. Projeção do Painel Rio Covid-19 prevê que a capital fluminense chegue a 40 mil casos da doença na próxima semana.

Ainda assim, as regras se tornaram mais brandas para as igrejas, que agora passaram a ser consideradas como serviço essencial para a prefeitura. "As igrejas são atividades essenciais, e todas as atividades essenciais devem continuar funcionando. É importante para a população", disse Crivella.

Na próxima semana, existe a possibilidade de a prefeitura autorizar a abertura de lojas de móveis e concessionárias de veículos, "que não geram aglomeração", segundo o prefeito. As academias de ginástica possivelmente também serão liberadas, mas com restrições.

Na mesma coletiva, Marcelo Crivella anunciou que todos os leitos previstos para serem colocados em operação pela prefeitura para o combate à covid-19 estarão aptos esta semana.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.