Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Crivella reafirma que medidas de afastamento social serão mantidas no Rio

Prefeito se manifesta em transmissão ao vivo em redes sociais após uma reunião com o comitê científico municipal

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2020 | 22h19

RIO -  O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), afirmou em transmissão ao vivo em redes sociais neste domingo, 5, que após uma reunião com o comitê científico municipal decidiu manter todas as medidas de afastamento social decretadas na capital fluminense. 

Após analisar a curva de contaminação pelo novo coronavírus na cidade em uma reunião de mais de duas horas neste domingo, o grupo formado por infectologistas, diretores de hospitais e médicos da rede pública decidiu por unanimidade que o isolamento tem que continuar.

“Há uma pressão enorme de um setor da nossa população e da economia para se começar a relativizar e abrir aos poucos o setor de comércio mas não há, por parte da comunidade científica do Rio de Janeiro, a menor chance de se fazer isso”, afirmou.

A cidade do Rio já contabiliza 1.068 casos confirmados de Covid-19, em 106 bairros. De maneira isolada, a Barra da Tijuca, na zona oeste, tem o maior número de pacientes contaminados (115). Por região, a zona sul concentra mais pacientes diagnosticados com o vírus, num total de 424. 

Somente em hospitais da rede municipal há 74 pessoas internadas com coronavírus, um aumento de 13 em relação ao sábado. Nove óbitos foram confirmados nessas unidades de saúde geridas pela administração municipal. 

“Levando em conta rede privada, hospitais federais, militares e estaduais (além dos municipais) chegamos a um número preocupante de 42 óbitos na cidade do Rio de Janeiro”, disse o prefeito. “Não pode ter aglomeração”, pediu Crivella.

Crivella voltou a fazer um apelo para que idosos de comunidades do Rio aceitem a proposta da Prefeitura para que se isolem em hotéis da cidade para evitar a doença. “Temos mil vagas em excelentes hotéis até com vista para o mar”, disse. 

Os acolhidos no programam são selecionados pelos médicos locais com base nas chances que têm de integrarem grupos de risco para o coronavírus. Hoje há 16 idosos e quatro acompanhantes hospedados nos hotéis, em que a diária de R$ 120 é bancada pela Prefeitura.

O prefeito anunciou ainda que a secretária municipal de Saúde do Rio, Beatriz Busch, internada com o novo coronavírus na última segunda-feira, teve alta e já está em casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.