REUTERS/Enrique de la Osa
REUTERS/Enrique de la Osa

Cuba relata primeiro caso de zika

Paciente é uma médica venezuelana de 28 anos que chegou à ilha em 21 de fevereiro para fazer uma pós-graduação; marido e cunhado contraíram doença no país de origem

Marc Frank, REUTERS

02 Março 2016 | 12h29

HAVANA - Cuba informou, nesta quarta-feira, 2, o primeiro registro de zika no país, diagnosticado em uma médica venezuelana de 28 anos cujos marido e cunhado haviam contraído a doença em seu país de origem.

A médica chegou a Cuba em 21 de fevereiro para fazer um curso de pós-graduação com 37 outras pessoas. Ela relatou febre no dia seguinte e foi diagnosticada com zika na segunda-feira, 29. A moça está hospitalizada e se recupera bem, informou o Ministério da Saúde cubano, em comunicado nesta quarta-feira.

O marido da médica foi diagnosticado com zika dois meses atrás e seu cunhado, duas semanas antes de ela viajar, segundo o comunicado.

O zika é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) afirma que investiga possíveis casos de transmissão sexual.

O governo cubano, que há décadas fumiga bairros e residências para combater a dengue - também transmitida pelo Aedes e uma prima próxima do zika– colocou os médicos em alerta para o vírus semanas atrás e intensificou os esforços de erradicação do inseto.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) está investigando uma "forte suspeita" de relação entre zika e microcefalia.

Mais conteúdo sobre:
Cuba Zika

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.