Cubano de equipe de combate a Ebola morre de malária na Guiné

O economista Jorge Juan Guerra Rodríguez começou a apresentar sintomas no dia 22 de outubro, com um quadro de diarreia

O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2014 | 17h18

Um dos colaboradores cubanos que viajou à Guiné como parte da brigada médica enviada para o combate ao Ebola morreu neste domingo, 26, após contrair malária e ter complicações cerebrais. 

De acordo com nota divulgada pelo Ministério de Saúde Pública de Cuba, o economista Jorge Juan Guerra Rodríguez, de 60 anos, chegou à Guiné no último dia 6, porém não teve contato com o Centro de Tratamento de Ebola nem com infectados. Ainda assim, o comunicado indica que foram feitos dois testes que deram diagnóstico negativo para o vírus.

Guerra Rodríguez começou a apresentar sintomas no dia 22 de outubro, com um quadro de diarreia. Ele foi atendido no dia seguinte no hospital de Donka, onde foi prescrito um tratamento com antibióticos, hidratação e dieta. 

Segundo a nota, no dia 24 de outubro começaram a se manifestar "sintomas de agravamento que levaram ao diagnóstico de malária". O estado de saúde do cubano piorou no domingo, 26, com o falecimento múltiplo dos órgãos.

O Governo cubano ofereceu 165 médicos e enfermeiros para o combate à epidemia de Ebola em Serra Leona, Libéria e Guiné. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, os casos chegaram a 10.141 em oito países, com um total de 4.922 mortos./COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Mais conteúdo sobre:
GuinémaláriaCubaEbola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.