Agência Estado
Agência Estado

Curry pode ajudar no tratamento do câncer de intestino

Hospital britânico vai estudar como a curcumina reduz a resistência das células cancerígenas

BBC

07 de maio de 2012 | 09h49

Um composto químico encontrado no curry, a curcumina, pode ser uma arma poderosa no combate ao câncer de intestino. Pesquisas já mostraram que a substância foi eficaz contra células cancerígenas desenvolvidas em laboratório e traz benefícios contra derrames e outros tipos de doenças, e agora um hospital de Leicester, na Grã-Bretanha, vai estudar o uso do composto junto de tratamentos quimioterápicos.

 

Se o câncer de intestino se espalha para o corpo, os pacientes geralmente recebem uma combinação de três remédios de quimioterapia, mas cerca de metade deles não respondem a eles. A expectativa é que a eficácia dos medicamentos melhore com a curcumina, que será administrada a 40 pacientes uma semana antes de o tratamento começar.

 

O professor William Steward, que lidera o estudo, disse que testes em animais combinando curcumina e medicamentos mostraram resultados muito bons e que são eles a justificativa para levar a pesquisa adiante no hospital. "Uma vez que o câncer se espalha, é difícil de tratar, já que os efeitos colaterais da quimioterapia limita o tempo pelo qual o paciente pode se submeter ao tratamento", explicou.

 

De acordo com ele, "o prospecto de que a curcumina aumente a sensibilidade das células cancerígenas à quimioterapia é interessante porque pode significar uma redução nas doses, o que permitiria aos pacientes manter o tratamento por mais tempo e com menos efeitos colaterais".

 

A pesquisa ainda está nos seus estágios iniciais, mas o potencial do uso de compostos químicos para tratar o câncer "é uma área intrigante e espera-se que isso dê informações para o desenvolvimento de novos remédios no futuro", completa Steward. 

Tudo o que sabemos sobre:
Vidasaúdecurrycâncercurcumina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.