Brian Snyder/Reuters
Brian Snyder/Reuters

Dados sobre vacina de Oxford contra covid-19 podem ser enviados neste ano a agências reguladoras

Apesar disso, cientista pondera não é possível buscar atalhos para acelerar a aprovação para uso emergencial

Alistair Smout e Sarah Young, Reuters

25 de agosto de 2020 | 10h32

LONDRES - Os dados dos testes com a potencial vacina contra a covid-19 da Universidade de Oxford e da AstraZeneca podem ser enviados a órgãos reguladores neste ano, mas não é possível buscar atalhos para acelerar a aprovação para uso emergencial, disse nesta terça-feira, 25, um dos cientistas que lideram o estudo.

A vacina de Oxford produziu resposta imunológica em seus primeiros testes em humanos, enfatizando sua posição como uma das principais candidatas na corrida para combater o vírus que causou centenas de milhares de mortes e teve forte impacto na economia global.

"É simplesmente possível que se os casos aumentarem rapidamente nos ensaios clínicos, nós possamos entregar os dados para os reguladores neste ano", disse Andrew Pollard, diretor do Grupo de Vacinas de Oxford, à Rádio BBC, ao se referir ao progresso dos ensaios mais amplos em estágio avançado, que estão sendo feitos em vários países, entre eles o Brasil. "Então haveria um processo pelo qual eles passariam para ter uma avaliação completa dos dados."

Os testes foram parar nas manchetes nesta semana quando o Financial Times afirmou que o governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está considerando acelerar o processo de disponibilização da vacina para ela ser usada no país antes da eleição presidencial de 3 de novembro. Uma opção que estaria sendo analisada envolveria a concessão pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de medicamentos dos EUA, de uma "autorização para uso emergencial" para a potencial vacina em outubro , disse o jornal.

Pollard disse que o processo para a concessão de autorização para uso emergencial é bem estabelecido. "Mas ele ainda envolve ter dados cuidadosamente conduzidos... e evidências de que realmente funciona", comentou.

O Financial Times disse que o governo dos EUA considera basear a aprovação emergencial da vacina apenas em um pequeno estudo com cerca de 10 mil pessoas feito no Reino Unido. Pollard, investigador-chefe global dos ensaios clínicos com a potencial vacina de Oxford, disse que a AstraZeneca levará os dados para os reguladores assim que os cientistas estiverem satisfeitos com eles.

Ele comentou que a Universidade de Oxford envolveu cerca de 20 mil pessoas nos testes ao redor de Reino Unido, Brasil e África do Sul. Além disso, a AstraZeneca lidera um estudo nos EUA com 30 mil pessoas. "O tamanho dos estudos não é a questão aqui, o que é necessário ter são casos suficientes se acumulando durante o tempo de observação dos testes", avisou Pollard.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.