DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

De janeiro a agosto, 20 crianças morreram de diarreia em terra indígena no Acre

Ausência de saneamento básico é apontada como principal motivo da doença

André Borges, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2019 | 14h35

BRASÍLIA – Entre janeiro e agosto deste ano, 20 crianças indígenas, com idade entre um mês e 11 anos, morreram na terra indígena Alto Rio Purus, no Acre. A situação é detalhada em um levantamento do Conselho indigenista Missionário (Cimi) Regional Amazônia Ocidental.

Os principais sintomas apresentados antes das mortes, de acordo com a instituição, foram febre, vômito, cãibras e diarreia. Um idoso de 64 anos também morreu no mesmo período, com quadro clínico idêntico.

As vítimas foram nove meninas e 11 meninos. Nos meses de setembro e outubro, ainda não foram confirmadas novas mortes. O número total, portanto, pode ser maior. Durante o último surto de diarreia, entre outubro de 2011 e abril de 2012, afirma o Cimi, 24 crianças morreram com os mesmos sintomas.

“Entre as razões para o ciclo de mortes atingir periodicamente as aldeias do Alto Rio Purus está a ausência de saneamento básico provocando a contaminação da água consumida, sobretudo no período das chuvas”, declara a organização.

Dados do Portal da Transparência apontam que a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) utilizou apenas 11% do orçamento total de 2019 (até o dia 26 de setembro) para a rubrica “Saneamento Básico em Aldeias Indígenas para prevenção e controle de agravos”.

A Terra Indígena Alto Rio Purus está localizada entre os municípios de Santa Rosa do Purus, nas proximidades da fronteira com o Peru. Na terra vivem 3.336 indígenas em cerca de 45 aldeias. A maioria delas está instalada às margens do rio Purus.

Questionada pela reportagem, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) informou que "solicitou levantamento detalhado da situação do DSEI Alto Rio Purus (Acre), incluindo as condições de saneamento, para investigar os óbitos".

"O Ministério da Saúde tem ciência de problemas locais para a execução de obras de melhoria de saneamento básico ao longo dos anos e trabalha para solucioná-los, inclusive trocou a coordenação do DSEI há cerca de dois meses. A Sesai, juntamente com o DSEI Alto Rio Purus, estão adotando as providências para intensificar as ações para o enfrentamento das causas evitáveis de mortalidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.