De mãe para filha: vida salva por transplante

De mãe para filha: vida salva por transplante

Cresce doação de órgão de familiares para crianças enfermas; casos demandam urgência

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2016 | 03h00

SÃO PAULO - Depois de uma gravidez tranquila, a autônoma Kezia Alves, de 26 anos, não esperava que os primeiros dias da pequena Isabella seriam tão turbulentos. Fraqueza, inchaço na barriga, pele amarelada e choro constante eram alguns dos sintomas apresentados pela bebê, nascida em agosto de 2015. Com três semanas de vida veio o diagnóstico: a menina tinha cirrose hepática e precisaria de um transplante de fígado para sobreviver.

Doença conhecida por sua relação com o alcoolismo, a cirrose também pode afetar recém-nascidos. No caso das crianças, no entanto, as causas são diferentes e costumam estar atreladas a problemas congênitos, como o desenvolvido por Isabella: atresia das vias biliares, uma espécie de entupimento dos canais que ligam o fígado e a vesícula.

“Essa é a principal causa da cirrose hepática em crianças e os pacientes já manifestam os sintomas nas primeiras semanas de vida, geralmente com um quadro grave. O fígado é a fábrica de proteínas do corpo. Sem o funcionamento adequado dele, a criança não consegue se alimentar, tem desnutrição severa e pode ter sangramentos”, explica Uenis Tannuri, professor titular de cirurgia pediátrica e transplante de fígado da Faculdade de Medicina da USP e chefe do mesmo setor no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas.

Diante da urgência do transplante nas crianças, os pais costumam ser os doadores. Foi o caso de Isabella. Ela ficou quatro meses na fila de espera pelo órgão, sem conseguir um doador. Foi quando os pais decidiram se colocar à disposição. “Primeiro, meu marido fez os exames, mas os resultados apontaram gordura no fígado e ele foi impedido. Então decidi fazer e deu certo”, conta Kezia.

Segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), tem crescido o porcentual de fígados doados a crianças por parentes. Dos 176 transplantes do tipo feitos em 2015, 88% tiveram familiares da criança como doadores, o dobro do índice registrado em 2010.

Isabella recebeu parte do fígado da mãe em junho deste ano. A família ainda teve de enfrentar sustos após a operação. A criança rejeitou o órgão e teve de voltar para o centro cirúrgico outras duas vezes. Os médicos conseguiram solucionar as complicações e a menina teve alta no último dia 21. “Não tive medo da cirurgia. Sabia que minha filha, finalmente, teria uma vida melhor”, diz Kezia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.