Dê um basta nas varizes

Dor, inchaço nos tornozelos e uma sensação constante de cansaço e peso nas pernas, principalmente no final do dia. Se você estiver com algum destes sintomas, fique atento: podem ser varizes, um mal que atinge cerca de 25 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No verão, o quadro pode piorar, já que o aumento da temperatura tende a dilatar os vasos e aumentar a pressão nas veias. Combater ou retardar o aparecimento das varizes está cada vez mais simples e menos doloroso, graças a novas técnicas e tratamentos a laser que prometem resultados rápidos e seguros. As varizes são veias que ficam tortuosas, alongadas e dilatadas, caracterizando uma alteração funcional da circulação do sangue no organismo. Elas podem ser classificadas em dois tipos: as chamadas primárias, que normalmente são influenciadas pela tendência hereditária, e as secundárias, que estão associadas ao uso da pílula anticoncepcional, gestação, alterações hormonais e ao exercício de profissões que requeiram longos períodos em pé. Muito mais do que antiestéticas, as varizes causam um problema fisiológico para o organismo. Com o tempo, a má circulação pode provocar danos mais sérios, com descamação da pele no local, sangramento e até trombose, quando o sangue coagula e entope a veia. O desprendimento destes coágulos pode resultar em embolia pulmonar, que acontece quando o coágulo se solta e a acaba se instalando em uma artéria pulmonar. O cirurgião-geral Carlos David de Nascimento, do Hospital São Luiz, em São Paulo, afirma que "varizes são um dos preços que o homem tem de pagar ao próprio organismo por ter se tornado bípede". Ele explica que o sistema venoso humano não está preparado para ficar muitas horas nessa posição e acaba sobrecarregado. Enquanto as artérias distribuem o sangue pelo organismo, alimentando células, músculos e órgãos do corpo, as veias fazem o caminho inverso, levando o sangue carregado de impurezas até o pulmão. Nas pessoas saudáveis, essa circulação é eficaz, mas quando essas veias adoecem, por diversas razões, o sangue acaba se acumulando nos membros inferiores, comprometendo o fluxo sangüíneo. De acordo com Cid José Sitrangulo Júnior, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (Sbav), "não existe uma estatística nacional de quantas pessoas são portadoras de varizes, isso porque a classificação do tipo de variz é muito variada, desde as mais discretas até as maiores", explica. Segundo ele, é possível fazer "apenas" uma estimativa. "Aproximadamente, 30% das mulheres e entre 5% a 10% dos homens são portadores de varizeS." A hereditariedade é um dos principais fatores de risco no desencadeamento da doença. Portanto, se há familiares diretos portadores de varizes é preciso redobrar a prevenção. Além disso o sedentarismo, a obesidade, a permanência por um período prolongado em uma mesma posição - em pé ou sentado - em dias muito quentes e o hábito de fumar também são algumas das razões que favorecem a formação de diversos tipos de varizes, um mal que atinge cerca de 25 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Nas mulheres, o uso contínuo de pílulas anticoncepcionais, alterações hormonais, gravidez e a menopausa contribuem para o surgimento do problema. De acordo com o ginecologista e obstetra Juvenal Barreto Borriello de Andrade , do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, em São Paulo, cerca de 25% das mulheres grávidas vão desenvolver algum tipo de variz, dependendo da faixa etária e principalmente do histórico familiar. "As varizes são conseqüência comum da gravidez, principalmente nas mulheres que têm vida sedentária, por isso é importante o acompanhamento clínico durante a gestação", alerta obstetra. O acompanhamento deve ser feito por obstetra e angiologista. Segundo Andrade, as principais complicações nas grávidas portadoras de varizes são as flebites, uma inflamação nas paredes das veias, e trombo flebites, flebite associada à trombose do vaso, que pode levar à embolia pulmonar. Os sintomas mais comuns da trombo flebite são cãibra, dor na sola dos pés e falta de firmeza nas pernas. "Para evitar esse problema, desde o início da gravidez é preciso fazer o acompanhamento médico e adotar hábitos saudáveis, como movimentar as pernas, usar meia de suave compressão", afirma. Tipos de tratamentos Hoje, o laser é instrumento fundamental no tratamento. O médico vascular e angiologista Ary Elwing explica que cada paciente possui um tipo de variz e somente após uma investigação detalhada será possível distinguir o problema e o tratamento mais eficaz. EVLT - Indicado para o tratamento de varizes de médio e grosso calibre - aquelas que são mais dilatadas e podem formar nódulos -, o Endovenous Vascular Laser Treatment (EVLT) - apresenta, segundo Elwing, 98% de eficácia. Após uma leve sedação, com anestesia local, uma agulha equipada com fibra ótica é introduzida na veia para facilitar a visualização do cirurgião. Em seguida, um laser é disparado para desidratar e secar as paredes da veia doente, que perderá totalmente sua função. O próprio organismo se encarregará de "absorver" a veia e desviar o sangue para outras veias saudáveis. Uma das vantagens da técnica, de acordo com o angiologista, é que a cirurgia pode ser realizada no próprio consultório. Após a cirurgia, o paciente precisará ficar por cerca de 24 horas com um faixa na perna. Três dias após a intervenção, ele já estará liberado para retomar suas atividades normais, como a prática de exercícios leves. Mas será necessário usar, por um período de 7 a 14 dias, dependendo do caso, meia elástica de média ou alta compressão. "A técnica traz inúmeros benefícios aos pacientes, quando comparada aos métodos cirúrgicos convencionais. Por ser minimamente invasiva, não causa hematomas nem cicatrizes, a veia não é retirada e o sangramento é mínimo", afirma. ND YAG - Nessa técnica, um laser que provoca a coagulação do sangue, destruindo a função da veia, é indicado para diversos tipos de vasos, desde as micro varizes - aqueles vasinhos que podem se apresentar em tons azulados ou esverdeados nas pernas, rosto e colo - até aqueles finos vasos avermelhados ou arroxeados, chamados de telangiectasias, que podem surgir, principalmente em pessoas de pele muito clara, no nariz, rosto, colo, abdome e pernas. Não há riscos de hematomas, manchas ou cicatrizes. O tratamento não tem contra-indicação. Uma única sessão com esse tipo de laser corresponde a cerca de três ou cinco sessões da escleroterapia convencional. Crioescleroterapia - Utilizada para tratamento de vasos e micro varizes, a crioescleroterapia consiste na aplicação de uma injeção local de uma associação de medicamentos a cerca de 40 graus negativos. Após entrar na corrente sangüínea, o tecido interno do vaso doente é destruído, reduzindo o aparecimento de manchas roxas, comuns após as aplicações de injeções normais. O tratamento, na maioria dos casos, não tem contra-indicação e o paciente pode retomar suas atividades algumas horas após a aplicação. Além dos modernos tratamentos feitos com o laser, há outras formas de tratar as varizes, dependendo do grau de comprometimento da veia: Clínico - O tratamento clínico consiste no uso de medicamentos e de meias elásticas de compreensão ou bandagens. O objetivo é comprimir as veias afetadas controlando a circulação sangüínea e evitar o aparecimento de edemas na região. O paciente também é orientado a não ficar longos períodos em pé e fazer caminhadas leves. É recomendado também o controle do peso, com uma dieta balanceada. Cirúrgico - O tratamento cirúrgico consiste na remoção das veias superficiais comprometidas. Exige anestesia local. A cirurgia só é indicada para pacientes com boa circulação arterial, isso porque, quando as veias varicosas são retiradas, o sangue flui pelo sistema venoso profundo com maior facilidade para o coração O tempo de recuperação da cirurgia leva de 5 a 14 dias, dependendo da idade do paciente e do tamanho da cirurgia realizada. No período pós-operatório, é necessário repouso moderado, com as pernas elevadas com o auxílio de uma almofada. Essa medida evita edema e dor e acelera o período de recuperação cirúrgica. A compressão elástica é utilizada por um período aproximado de um mês. Escleroterapia - Indicado para as micro varizes, o tratamento por injeções é chamado de escleroterapia ou na linguagem popular "aplicação ou secagem de veias". Este tratamento é indicado para retirar as pequenas veias que se agrupam em forma de teia de aranha ou formando manchas. A escleroterapia auxilia também na complementação do tratamento cirúrgico, retirando as pequenas veias que a cirurgia não alcança. O tratamento é doloroso. Com uma seringa carregada do medicamento chamado esclerosante, são aplicadas várias "picadas" nas pequenas varizes. Como retardar o aparecimento das varizes Não há como prevenir o aparecimento de varizes, principalmente quando há casos na família, uma vez que o problema é hereditário mas é possível retardar a doença em qualquer idade ou sexo. Além da mudança de alguns hábitos, a prática de atitudes saudáveis também é indicada pelos especialistas: - Evite o excesso de peso com uma dieta equilibrada. A tendência das varizes em pacientes obesos é sempre aumentar o calibre das veias. O peso normal facilita o tratamento. - Inclua na dieta alimentos naturalmente diuréticos, como espinafre, chuchu, melancia e abacaxi, entre outros. - Beba no mínimo 2 litros de água por dia. - Pratique exercícios. Os mais indicados são natação, hidroginástica, andar de bicicleta e caminhada, que pressiona as veias e ativa a circulação do sangue. Evite exercícios de alto impacto, principalmente a aeróbica e musculação. - Evite ficar na mesma posição por muito tempo. Mesmo trabalhando, levante-se, movimente as pernas e faça uma breve caminhada. No caso das mulheres, evite ficar com as pernas cruzadas durante muito tempo. - Sentado, procure sempre apoiar os pés, de forma confortável. - Ao deitar, procure manter as pernas em um nível acima da cabeça, com o auxílio de uma almofada. - O uso de meias elásticas também ajuda a aliviar inchaço dos pés e tornozelos. - Quem tem tendência a varizes não deve fumar. Serviço: - Ary Elwing - Tel.: (11) 3078-9575 - Cid José Sitrangulo Júnior - Tel.: (011) 9531-0674 - David Carlos de Nascimento - Tel.: (11) 3073-0711 - Juvenal Barreto Borriello de Andrade - Tel.: (11) 3289-2317

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.