ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

Dengue causa superlotação e altera rotina de hospitais particulares de SP

Todos os centros médicos da capital consultados relatam aumento no nº de casos; estabelecimentos contrataram pessoal para suprir a demanda, mas pacientes esperam até 6 horas por atendimento

Paula Felix e Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

16 Abril 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O avanço dos casos de dengue na capital paulista já superlota hospitais particulares e causa o redimensionamento de equipes médicas. Muitos pacientes relatam horas de espera por atendimento e centros médicos confirmam que têm registrado crescimento na demanda e até fizeram contratações.

O processo de atendimento da analista financeira Thaís Pinheiro, de 32 anos, demorou seis horas nesta terça-feira, 14, no Hospital Samaritano, em Higienópolis, na região central. O marido dela, o designer gráfico Reinaldo Peticor, de 37 anos, também está com a doença e segue internado no local. “Demorei seis horas entre pegar senha, ir para a triagem, ser atendida e tomar o soro. Fui liberada, mas meu marido estava com as plaquetas baixas e precisou ficar internado. Mas está tudo tomado por pessoas com dengue. Ele está em um boxe no pronto-socorro porque não tem quarto (disponível).”

Thaís relata que no domingo, quando os sintomas começaram, procurou outro hospital, que também estava lotado. “Tem muita gente com suspeita de dengue. Os lugares estão todos cheios.” Procurado, o Hospital Samaritano informou que Peticor foi transferido para um quarto na tarde desta quarta-feira, 15. E destacou que oferece “suporte e atendimento” aos casos de suspeita de dengue.


Levantamentos dos grupos particulares também mostram esse quadro. O Estado consultou nove hospitais e o aumento no número de pacientes com suspeita de dengue foi verificado na maioria. O 9 de Julho, em Cerqueira César, por exemplo, registrou 474 casos de suspeita nos três primeiros meses deste ano, ante 227 em 2014.

A infectologista e diretora técnica do centro médico, Regina Tranchesi, explicou que a instituição colocou um médico a mais no período da noite. “A gente fica monitorando, caso precise de mais médicos. Mas, com essa estrutura, está dando para atender a demanda.”

O Hospital Infantil Sabará também já opera com acréscimo de equipe de médicos e de triagem. O número de casos até março supera todo o ano de 2014, quando foram confirmados 50 casos no local. Neste ano, 80 pacientes foram diagnosticados com a doença. No Hospital Santa Catarina, somente no mês de março, o atendimento da ala infantil dobrou em relação a fevereiro de 2015.

Já no Hospital Santa Isabel, o aumento de pacientes começou a ser notado em fevereiro. Por dia, em média, sete pessoas são internadas com a doença.

O Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos informou que, hoje, cerca de 70% das pessoas que procuram o pronto atendimento da unidade, na Vila Clementino, zona sul, relatam sintomas de dengue. Um fluxo de atendimento específico foi organizado para atender a demanda.

Na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo houve um aumento de quatro vezes no número de casos suspeitos de dengue no primeiro trimestre deste ano, em relação a igual período de 2014. O Hospital Alvorada registrou aumento semelhante: nos três primeiros meses deste ano, acolheu 55 pacientes. No mesmo período de 2014, foram 13. Os Hospitais Albert Einstein e São Luiz também relataram aumentos.

Rede pública. A lotação já virou rotina nas unidades municipais e nas tendas instaladas pela Prefeitura. Na tarde desta quarta-feira, 15, a cabeleireira Helena Soares, de 49 anos, deparou-se com o Hospital Geral Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, lotado. “Cheguei às 11 horas e tinha muita gente. O problema mesmo é a dengue.” Ela só foi liberada por volta das 16 horas.

Mais conteúdo sobre:
São Paulodengue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.