Arquivo/AE
Arquivo/AE

Dengue reduz estoques de sangue no interior de São Paulo

Período para ex-infectados doarem é de 30 dias; hospitais tiveram que adiar cirurgias pela falta de sangue

Chico Siqueira, da Agência Estado,

01 Março 2010 | 12h31

A epidemia de dengue reduz os estoques de sangue e adia a realização de cirurgias em Araçatuba, a 540 quilômetros de São Paulo. Os estoques foram reduzidos porque quem teve dengue há menos de 30 dias não pode doar. A epidemia da doença já contaminou 2,5 mil pessoas na cidade, e a chegada da dengue hemorrágica também aumenta o consumo de plaquetas.

 

Veja também:

linkSP já registra mais de 7 mil casos de dengue e 2 mortes

linkPrefeitura multa 15 empresas por foco de dengue em SP

linkNúmero de casos de dengue no País sobe 109% neste ano 

Uma cirurgia do coração foi adiada na sexta-feira porque não havia sangue dos tipos O- (O negativo) e A- (A negativo) suficientes para garantir a operação com segurança. "Precisávamos de quatro bolsas, mas só tínhamos uma", disse o diretor do hemonúcleo de Araçatuba, Wolney Gois Barreto.

A paciente aguarda na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que parentes façam a doação, ou consigam doadores, para que a cirurgia seja realizada nesta semana. "Há risco na demora da cirurgia, mas certamente há risco maior se a cirurgia for feita sem as bolsas necessárias", completou Barreto.

Outro problema ocorreu quando o hemonúcleo teve de enviar plaquetas para reposição em pacientes com dengue hemorrágica nas cidades de Birigui e Andradina. As plaquetas foram emprestadas do hemonúcleo de Fernandópolis porque o estoque estava praticamente zerado. Uma operação feita de emergência no sábado conseguiu algumas bolsas, mas ainda assim o estoque está bem abaixo do normal.

"A situação é crítica. Hoje estamos com apenas duas bolsas de O negativo, enquanto o mínimo seria 14 bolsas e o normal, 30. Temos 11 bolsas de A- negativo, mas o normal seriam 30 bolsas", diz Barreto.

Segundo ele, outro problema se aproxima: a vacinação contra a gripe suína, que bloqueia a doação por 45 dias. Para contorná-lo, o Hemocentro de Ribeirão Preto, que atende quatro hemonúcleos no interior (Araçatuba, Fernandópolis, Franca e Presidente Prudente), está iniciando uma campanha para fazer com que a população doe sangue antes de se vacinar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.