Depressão faz paciente enxergar mundo literalmente cinza, diz estudo

Pesquisa de universidade alemã indica que a doença dilui o contraste entre preto e branco

Efe

21 Julho 2010 | 14h01

LONDRES - Um novo estudo científico parece indicar que a associação entre a depressão e a cor cinza é mais do que uma simples metáfora.

A pesquisa, realizada por uma equipe da universidade alemã de Freiburg, dirigida por Ludger Tebartz van Elst e publicada na "Biological Psychiatry", indica que a depressão dilui o contraste entre o preto e o branco, por isso que o mundo se torna literalmente cinza.

Os analistas alemães mediram as respostas elétricas para determinar a atividade da retina em 40 pessoas que sofriam de depressão (metade recebiam medicamento) e em outras 40 não afetadas por essa condição.

A retina contém células fotorreceptoras que transformam os sinais luminosos que chegam ao olho em impulsos elétricos que são enviados ao sistema visual do cérebro.

Com a colocação de eletrodos na superfície ocular e na pele circundante, os cientistas conseguiram registrar a atividade elétrica das células da retina em resposta aos estímulos.

Os pacientes deprimidos demonstraram ter um menor contraste retinal que o grupo de voluntários que não sofriam do problema, independentemente de estarem recebendo medicação ou não.

Também foi descoberta uma correlação importante entre o nível de contraste e a gravidade dos sintomas: nos pacientes mais deprimidos, a resposta da retina foi mais frágil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.