Descoberta abre caminho para novas drogas contra o Alzheimer

Receptor cerebral envolvido nos sintomas pode servir de alvo para remédios mais eficientes

Agência Fapesp,

13 de outubro de 2011 | 16h40

 Uma pequena parte de um receptor cerebral pode ser um alvo promissor para o desenvolvimento de medicamentos mais eficientes contra o Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas. O achado acaba de ser anunciado por um grupo de cientistas da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, em um artigo publicado na Nature Communications.

A pesquisa foi focada nos receptores cerebrais para o neurotransmissor glutamato, diretamente envolvido nessas doenças e em outras condições, como o glaucoma.

Os dois principais receptores no cérebro para o glutamato são o NMDA e o AMPA, ambos com papéis fundamentais na memória e no aprendizado humano. Os dois são compostos de quatro subunidades, sendo que dentro de cada receptor essas subunidades são organizadas em pares.

 

Na pesquisa, o grupo conseguiu obter uma redução expressiva na atividade do NMDA, o que levou a uma diminuição na quantidade de cálcio que entra os neurônios em resposta ao glutamato.

O excesso de cálcio, causado pelo aumento da atividade de receptores NMDA, é o que eventualmente causará a morte de neurônios, levando aos sintomas comuns que ocorrem após um AVC ou doenças neurodegenerativas.

“É a primeira vez que essa região do cérebro se mostrou útil como um alvo de drogas. Se pudermos encontrar um composto químico que se ligue a essa região e prenda as subunidades dos receptores NMDA, o resultado será muito importante na busca de alternativas de tratamentos para danos provocados por acidentes vasculares cerebrais, Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas”, disse Gabriela Popescu, principal autora do estudo.

A droga Namenda, um dos medicamentos atuais que atuam no receptor NMDA, tem como alvo um local diferente dentro do receptor daquele pesquisado pelo grupo da Universidade de Buffalo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.