Descoberta enzima no cérebro de camundongos que prolonga a dor

Desativação de gene responsável reduziu a dor crônica dos animais, dizem pesquisadores

REUTERS, REUTERS

02 Dezembro 2010 | 17h34

Pesquisadores trabalhando com camundongos descobriram uma enzima cerebral que aprece fazer com que a dor se perpetue após o ferimento de um nervo e que, esperam, poderá ser usada como alvo para o tratamento de dor crônica em seres humanos.

Em artigo publicado na revista Science, os cientistas, do Canadá e da Coreia do Norte, afirmam ter conseguido aliviar a dor após bloquear a enzima.

 

"Isso nos oferece uma compreensão básica do mecanismo cerebral da dor crônica". disse o principal autor do trabalho, Min Zhuo, professor de fisiologia da Universidade de Toronto.

 

"Não apenas oferece uma nova possibilidade de projetar remédios para a dor, mas também ajuda a entender por que muitas drogas não são capazes de controlar a dor crônica".

 

Embora analgésicos existam há tempos, o controle da dor crônica em hospitais, e para condições como o câncer e no tratamento paliativo de pacientes terminais, muitas vezes é inadequado.

 

Zhuo é colegas encontraram níveis elevados da enzima proteína quinase M zeta numa região do cérebro chamado córtex cingulado anterior de animais feridos.

 

Para confirmar a função da enzima, eles desativaram um gene que acreditavam ser o responsável pela enzima, em outro grupo de camundongos.

 

Depois, descobriu-se que os animais sem o gene sentiam menos dor crônica, ou nenhuma dor, após sofrer ferimentos nos nervos.

Mais conteúdo sobre:
dor crônica saúde science cérebro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.