Arquivo/AE
Arquivo/AE

Descoberta proteína que pode ajudar a combater infecção intestinal

Novos tratamentos para enfermidades hoje incuráveis, como a doença de Crohn, podem surgir

Reuters

27 Abril 2010 | 09h10

Cientistas europeus anunciaram a descoberta de uma proteína que pode ser estimulada com medicamentos e alimentos para restaurar as defesas naturais contra infecções intestinais, o que poderia representar um novo tratamento para enfermidades hoje incuráveis, como a doença de Crohn.

 

Sob comando de cientistas do Instituto Pasteur de Lille, na França, os pesquisadores descobriram que ter níveis baixos da proteína PPAR-gama, que regula as defesas contra certas bactérias no intestino, pode deixar os pacientes menos capazes de enfrentar infecções intestinais. Por isso, o estímulo à proteína PPAR-gama poderia proteger contra essas doenças.

 

Mathias Chamaillard, que dirigiu o estudo, disse que os resultados mostram que drogas já usadas contra outras doenças podem ser eficazes também no caso da doença de Crohn.

 

Segundo ele, é o caso do Avandia (nome genérico: rosiglitazone), contra diabete, do laboratório GlaxoSmithKline, que comprovadamente restaura a defesa intestinal por meio da ativação da PPAR-gama, e do Actos (pioglitazone), do laboratório Takeda, que age do mesmo modo.

 

Inflamações intestinais como a doença de Crohn e a colite ulcerativa afetam cerca de 0,5% da população dos países desenvolvidos, e são notoriamente difíceis de tratar.

 

Experimento

 

A equipe europeia, que teve seu trabalho publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciência dos EUA, usou ratos manipulados geneticamente para terem baixos níveis da proteína PPAR-gama, e concluiu que eles eram menos capazes de enfrentar infecções bacterianas no cólon, em comparação a ratos normais.

 

Amostras retiradas dos cólons de humanos vítimas da doença de Crohn mostram também níveis reduzidos de peptídeos antimicrobianos (defesas do organismo reguladas pela proteína PPAR-gama), segundo o artigo.

 

Chamaillard disse que alimentos e dietas contendo o ácido linoleico conjugado (CLA) também podem estimular a atividade da PPAR-gama, e comprovadamente ajudam pacientes com colite e câncer associado à colite. O CLA é encontrado principalmente no leite e em carnes.

 

"Em curto prazo, administrar a doença é o que procuramos, mas também pode ser que no futuro desenvolvamos uma forma de pará-la", disse Chamaillard.

 

Ele acrescentou que a cura da doença de Crohn implicaria identificar pacientes sob risco antes de desenvolverem a enfermidade, para então reforçar as defesa associadas ao PPAR-gama e evitar o desenvolvimento da doença. De acordo com os cientistas, ambas essas áreas ainda precisam de mais estudos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.