Descoberta variante genética que pode elevar risco de gota

Variação que se produz no gene SLC2A parece dificultar a eliminação do ácido úrico no sangue, aponta estudo

Efe,

10 de março de 2008 | 15h40

Uma equipe de cientistas de Edimburgo, na Escócia, descobriu uma variante genética que pode elevar o risco de desenvolver gota, um tipo de artrite provocado pelo acúmulo de ácido úrico no sangue, segundo estudo publicado na revista Nature Genetics.  De acordo com os resultados de uma pesquisa do Conselho de Investigações Médicas de Edimburgo, a variação, que se produz no gene SLC2A, parece dificultar a eliminação do ácido no sangue.  Num organismo sadio, o ácido úrico é eliminado pelos rins através da urina. Em alguns pessoas, no entanto, os rins não cumprem satisfatoriamente essa função, permitindo que grande parte do ácido continue no sangue e se transforme em pequenos cristais junto às articulações. Dietas ricas em açúcar refinado, proteínas e álcool aumentam o risco de contrair a doença. Uma análise genética de 12 mil pessoas, feita pelos pesquisadores, descobriu a variante genética que poderia ser a causa da gota.  Segundo Alan Wright, que dirigiu a equipe de cientistas, o gene em questão "tem um papel chave na hora de determinar a eficácia do transporte do ácido úrico pelas membranas do rim."  "Alguns indivíduos podem correr um risco maior ou menor de contrair gota, segundo os tipos de genes herdados", explicou o pesquisador Harry Campbell, acrescentando que a última descoberta pode melhorar o diagnóstico da doença.  De acordo com Andrew Bamji, presidente da Sociedade Britânica de Reumatologia, essa investigação reforça um estudo recente, que constatou que bebidas ricas em frutose também poderiam desencadear a enfermidade. "Parece que esse gene também desempenha um certo papel no controle dos níveis de açúcar e frutose no organismo", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
gotavariante genéticarim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.