Utah Museum of Natural History/Divulgação
Utah Museum of Natural History/Divulgação

Descobertas duas novas espécies de dinossauros com chifres nos EUA

Animais eram parentes próximos do triceratops e viviam no 'continente perdido' de Laramídia

estadão.com.br

22 Setembro 2010 | 16h05

Duas novas espécie de dinossauros com chifres foram encontradas no sul do Estado americano de Utah. Os gigantes herbívoros eram habitantes do "continente perdido" de Laramídia, formado quando o mar inundou a região central da América do Norte, isolando as partes leste e oeste do continente por milhões de anos durante o Período Cretáceo.

Os dinossauros recém-descobertos, parentes próximos do famoso triceratops, foram anunciados nesta quarta-feira, 22, na revista científica online PLoS ONE.

O estudo, financiado em grande parte pela Fundação Nacional de Ciência e pela Agência de Gerenciamento de Terras, foi liderado por Scott Sampson e Mark Loewen, do Museu de História Natural de Utah (UMNH) e do Departamento de Geologia e Geofísica da Universidade de Utah.

O maior dos dois novos dinossauros, com um crânio de 2,3 metros de comprimento, é o Utahceratops gettyi. A primeira parte do nome combina o estado de origem com "ceratops", palavra grega para "cara com chifres". A segunda parte do nome homenageia Mike Getty, gerente de coleções de paleontologia do Museu de História Natural de Utah e descobridor do animal.

Além de um grande chifre sobre o nariz, o Utahceratops tem chifres curtos e achatados, projetados para o lado e não para cima - muito mais parecidos com os chifres do bisão moderno do que com os dos triceratops ou de outras espécies de ceratops. Mark Loewen, um dos autores do artigo, comparou o Utahceratops com "um rinoceronte gigante com uma cabeça anormal".

A segunda nova espécie descoberta é o Kosmoceratops richardsoni. A primeira parte do nome se refere ao cosmos, palavra latina para "ornamentada", e ceratops, "cara com chifres". A última parte do nome homenageia Scott Richardson, voluntário que descobriu dois crânios desse animal.

O Kosmoceratops tinha 15 chifres, muito mais longos e mais pontiagudos que os do Utahceratops. O Kosmoceratops tinha um chifre em cima do nariz, um sobre cada olho, um na ponta de cada osso zigomático (na bochecha), e dez em toda a margem posterior da borda óssea, o que o torna o dinossauro com a cabeça mais ornamentada já conhecida.

Scott Sampson, principal autor do estudo, afirmou que "o Kosmoceratops é um dos animais mais incríveis já conhecido, com um crânio bem decorado com uma série de sinos e apitos ósseos."

Apesar de muita especulação sobre a função dos chifres para afastar predadores ou controlar a temperatura corporal, a ideia dominante é que esses recursos funcionavam para aumentar o sucesso reprodutivo.

Os dinossauros foram descobertos no Monumento Nacional Grand Staircase-Escalante, que abrange 1,9 milhão de hectares no deserto de Utah, região centro-oeste dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.