Descoberto em Papua mais antigo assentamento em grandes altitudes

Acampamento pré-histórico foi soterrado e preservado sob cinzas vulcânicas

Efe

01 Outubro 2010 | 12h32

SYDNEY - Cientistas australianos anunciaram nesta sexta-feira, 01, a descoberta de um assentamento humano de 49 mil anos nas terras altas da Papua Nova Guiné, o mais antigo do mundo encontrado em uma altitude de 2.000 metros.

 

O lugar estava ocultado sob as cinzas vulcânicas no Vale do Ivane, na serra montanhosa de Stanley, perto da aldeia de Kokoda, segundo disse à Agência Efe, André Fairbairn, um membro da expedição científica e professor de arqueologia da Universidade de Queensland.

 

Os habitantes desses acampamentos pré-históricos faziam ferramentas de pedra, caçavam pequenos animais e comiam tubérculos e frutos de casca da árvore de Pandanus.

 

"Parece que as camadas de cinza vulcânica criaram um meio único que tem protegido a cascas de nozes. Elas são achadas em grandes quantidades, o que nos dá provas únicas e muito contundentes da dieta dos antigos papuas", disse Fairbairn.

 

Segundo o arqueólogo, as escavações levaram a evidências de que o sistema tradicional utilizado atualmente para abrir estas nozes é o mesmo utilizado pelos habitantes do povoado pré-histórico.

 

"O que nós descobrimos nos dá um conhecimento muito incomum e muito detalhado de como uma comunidade vivia com recursos e mobilidade, capacidade de rápida adaptação a ambientes estranhos e territórios pouco familiares", acrescentou.

 

Estes campos foram ocupados durante o Pleistoceno, o tempo mais quente da Idade do Gelo, quando a Austrália, Tasmânia e Nova Guiné, formavam um único continente, o Sahul.

 

Os seus habitantes vieram do Sudeste Asiático e originalmente se estabeleceram no litoral para posteriormente passar para as montanhas onde eles tiveram que suportar temperaturas congelantes.

 

O estudo realizado pela equipe, que também incluiu cientistas da Papua Nova Guiné e dos Estados Unidos, foi publicado nesta sexta-feira na revista Science.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.