Desenvolvida molécula que bloqueia multiplicação do HIV

A importância da descoberta está no fato de a molécula funcionar em uma enzima celular e não em uma viral

Efe

28 de outubro de 2008 | 21h44

Pesquisadores italianos desenvolveram uma molécula que bloqueia a proteína responsável pela multiplicação do vírus da aids no interior das células infectadas, afirma um artigo publicado hoje pelo Journal of Medicinal Chemistry. A importância da descoberta está no fato de a molécula funcionar em uma enzima celular e não em uma viral, como costumam fazer as que são usadas para combater a doença. O diretor do Laboratório de Virologia Molecular de Pavia, no norte da Itália, Giovanni Maga, que realizou a pesquisa, explicou que o HIV é "um parasita das células humanas e, portanto, não é capaz de se reproduzir fora do organismo infectado". Segundo ele, "o vírus da aids entra em uma célula, normalmente um linfócito do sangue, e retira dela seus recursos nutritivos e energéticos para duplicar o próprio genoma". Para esse trabalho de duplicação, o vírus utiliza as proteínas existentes nas células humanas que infecta. O trabalho de Maga e sua equipe, em colaboração com o laboratório de química farmacêutica da Universidade de Siena, foi o de desenvolver uma molécula que possa bloquear a ação da proteína celular utilizada pelo vírus. Essa enzima é a proteína DDX3 e o trabalho dos pesquisadores conseguiu criar uma proteína biologicamente "sob medida", ou seja, capaz de bloquear a entrada do vírus. Segundo os resultados publicados na revista científica, o bloqueio da proteína DDX3 causa a interrupção da multiplicação do vírus nas células infectadas sem prejudicar as células saudáveis. Até agora, os remédios contra a aids têm como objetivo bloquear as enzimas do vírus, mas o problema é que este pode sofrer mutação durante o tratamento, o que o torna resistente aos medicamentos. Maga acredita que, com este sistema, as células têm a probabilidade de conservar sua eficácia durante o tratamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.