Prefeitura de Campos do Jordão / Divulgação 26/05/2020
Prefeitura de Campos do Jordão / Divulgação 26/05/2020

Destinos de inverno, Campos do Jordão e Monte Verde têm barreiras e hotéis lotados

Ambos os destinos vivem temporadas de eventos que atraem fluxo ainda maior de visitantes, acentuado pelo feriado deste 9 de julho

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 05h00

SOROCABA – Quem pensa em aproveitar o fim de semana prolongado pelo feriado do 9 de julho em dois dos principais destinos de inverno da Mantiqueira Campos do Jordão, em São Paulo, e Monte Verde, no sul de Minas Gerais – deve se preparar para enfrentar algumas barreiras. Além das estradas cheias, pois 3,7 milhões de veículos circularão pelas rodovias, segundo previsão da Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) e do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), as duas localidades estão com hotéis lotados e há barreiras sanitárias nos acessos.

Para completar, os dois destinos vivem temporadas de eventos de inverno, que atraem um fluxo ainda maior de visitantes. O feriado de 9 de julho é só no Estado de São Paulo, que reverencia seus mortos na Revolução Constitucionalista de 32. Em Campos do Jordão, as barreiras sanitárias começam a funcionar às 6 da manhã desta sexta-feira, 9, no portal de entrada da cidade, com medição de temperatura. Quem apresentar febre ou outros sintomas será levado para uma unidade de saúde. O objetivo é tentar barrar principalmente a entrada de pessoas com variantes do novo coronavírus.

Um decreto assinado na tarde desta quinta-feira, 8, pelo prefeito Marcelo Padovan (PSDB) ampliou o horário de atendimento presencial nos bares, lanchonetes e restaurantes para as 23h – desde 16 de junho, todos fechavam às 20h -, mas os estabelecimentos só podem funcionar com até 40% da capacidade.

 A venda de bebidas alcoólicas também está proibida, a partir das 23h, em qualquer tipo de estabelecimento comercial, inclusive para retirada. Os hotéis podem funcionar com 60% da capacidade, mas a maioria já estava com lotação completa nesta quinta, segundo o município. O prefeito informou que acompanha a fase de transição do Plano São Paulo, mas irá aumentar a fiscalização das aglomerações. As novas medidas levam em conta também que a cidade está sediando os eventos do 51º Festival de Inverno de Campos do Jordão.

Equipes da Vigilância Sanitária, com apoio da Polícia Militar, vão percorrer os pontos críticos, como o Calçadão do Capivari. A fiscalização atuará também para evitar festas clandestinas. No início de junho, a cidade registrou grandes aglomerações de jovens sem máscara, consumindo bebidas alcoólicas, no Capivari. Os abusos levaram a prefeitura a endurecer as regras e criar uma força-tarefa para a fiscalização. Em um fim de semana, quatro estabelecimentos foram autuados e um interditado. Uma festa com 600 pessoas foi interrompida.

Monte Verde

Um dos destinos mais procurados pelos paulistas fora de São Paulo, o distrito de Monte Verde, no município de Camanducaia, sul de Minas Gerais, está com a lotação dos hotéis e pousadas esgotada desde a primeira semana de junho. Nem os preços altos – diárias para casal variam de R$ 980 a R$ 3.750 – espantaram os turistas. Assim como os restaurantes, os hotéis operam com 60% da capacidade devido às medidas sanitárias de prevenção da covid-19. Bares e restaurantes fecham à meia-noite.

As festividades de inverno tiveram início no dia 11 de junho, com o evento "Amor nas Montanhas", como conta Silvia Urias, gestora da Agência de Desenvolvimento de Monte Verde (Move). "Agora estamos com o evento do Inverno nas Montanhas e, em agosto, vamos ter o festival de gastronomia em que cada restaurante apresentará suas melhores receitas. Isso explica porque, nesta época, o distrito está sempre lotado", disse. A temporada segue até 15 de agosto e, nesses 64 dias, a previsão é de que 500 mil turistas visitem Monte Verde.

A programação cultural inclui cortejos com artistas e tocadores de gaitas de fole na avenida principal, além de espetáculos e narração de histórias na Galeria Suíça. Neste feriado prolongado em São Paulo, a opção que restou para os paulistas que não fizeram reserva, é o turismo de um dia, que enfrenta as maiores restrições.

Quem chega à cidade, precisa passar por uma das três barreiras sanitárias instaladas no portal de acesso. Uma delas é exclusiva para visitantes de um dia e há previsão de fila, com demora de no mínimo 30 minutos para ultrapassar o portal e entrar na cidade. A entrada de excursões em ônibus, vans e micro-ônibus está proibida.

Turistas relataram dificuldades para estacionar e aglomerações na Avenida Monte Verde, a principal da cidade. "Estamos no chalé de uma pousada que fica a 4 quilômetros do centrinho e, como a cidade está muito cheia, fica difícil evitar aglomeração, assim a gente quase não sai da pousada", contou a comerciante Ilza Moraes, que viajou de Sorocaba para Monte Verde na terça-feira, 6, para passar o feriado prolongado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.