Morteza Nikoubazl/Reuters
Morteza Nikoubazl/Reuters

Brasil avança em metas, mas aids ainda preocupa

País melhora em diagnóstico, mas manter pessoas em tratamento continua a ser um desafio, sobretudo na faixa entre 18 e 24 anos

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2017 | 19h54
Atualizado 24 de novembro de 2017 | 22h59

BRASÍLIA - Relatório do Ministério da Saúde mostra que o diagnóstico e o tratamento de pessoas vivendo com HIV-aids melhorou no Brasil nos últimos quatro anos, embora deixe claro que há ainda desafios a serem enfrentados. De acordo com o trabalho, o número de pessoas com HIV que sabem da sua condição aumentou. Também é maior a parcela dos que estão em tratamento com medicamentos antirretrovirais. Ao mesmo tempo, as taxas de abandono da terapia ainda são altas e continua significativo o número de pessoas que descobrem a infecção pelo HIV de forma tardia - o que dificulta o sucesso no tratamento.

+++ Prevalência de aids entre homens que fazem sexo com homens aumenta 140% em 7 anos

“Há conquistas, mas também desafios”, constata a diretora do Departamento de Prevenção e Controle das ISTs, HIV-aids e Hepatites Virais, Adele Benzaken. Um dos maiores avanços apontados pelo trabalho é a melhora no diagnóstico. Estima-se que 830 mil pessoas vivem com HIV no Brasil. Desse total, 694 mil (84%) sabem que são portadoras do vírus - aumento de 18% quando comparado com dados de 2012. 

+++ Conheça 10 mitos e verdades sobre a aids

Em 2016, 72% das pessoas diagnosticadas estavam em tratamento. Uma proporção bem maior do que em 2012, quando 62% das pessoas vivendo com HIV-aids estavam em terapia com antirretrovirais. A supressão viral (quando a proporção de vírus circulante no sangue é considerada pouco expressiva, o que indica o sucesso do tratamento) também avançou. Dos pacientes tratados, 91% apresentam carga mínima de vírus.

+++ 112 mil brasileiros não sabem que têm HIV; aids avança entre homens jovens

Os dados indicam que o Brasil está próximo de atingir pelo menos duas das três metas do Programa das Nações Unidas para Aids (Unaids), batizado de 90-90-90. O compromisso dos países é chegar até 2020 com 90% das pessoas com HIV-aids diagnosticadas; desse grupo, pelo menos 90% em tratamento e, dos que estão em tratamento, 90% com supressão viral. “Estamos a seis pontos porcentuais da meta do diagnóstico”, constata Adele. A meta da supressão viral já foi atingida e agora precisa ser mantida até 2020. 

Um dos maiores desafios é tentar garantir que as pessoas diagnosticadas entrem em tratamento - e mantenham essa condição. A diretora chama a atenção para os dados da população entre 18 e 24 anos. Nesse grupo, apenas 56% dos diagnosticados estão em tratamento e 49% têm carga viral em níveis considerados ideais. “É preciso fazer um esforço para melhorar esses indicadores.” A ideia é fazer uma campanha para mobilizar pessoas nessa idade a se testar e manter o tratamento. Tão importante quanto isso, ressalta Adele, é tentar identificar as falhas do sistema que levam jovens a se manter afastados dos sistemas de saúde.

Adesão

Os dados do trabalho indicam que 9% das pessoas vivendo com HIV-aids abandonaram o tratamento em 2016. Mesmo porcentual apresentado em 2014. As taxas, no entanto, mudam quando se analisa raça-cor. Ano passado, a taxa de abandono na população branca foi de 8%. Entre negros, no entanto, foi de 11%, o mesmo porcentual constatado entre população indígena. “Há uma sinergia de estigmas”, afirma Veriano Terto, da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.