Twitter/OMS
Twitter/OMS

Diante de ameaça dos EUA, OMS cria fundação para ampliar financiamento

Órgão independente estava em desenvolvimento há dois anos, segundo o diretor-geral da entidade

Guilherme Bianchini, especial para O Estado

27 de maio de 2020 | 15h01

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou nesta quarta-feira, 27, a Fundação OMS, órgão independente destinado a receber doações de apoio à entidade. Segundo o diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a iniciativa estava em desenvolvimento há dois anos. Tedros e o fundador da nova instituição, Thomas Zeltner, assinaram o memorando de entendimento entre as partes antes da atualização das informações sobre a pandemia do novo coronavírus.

O lançamento da nova instituição acontece uma semana depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçar corte permanente do financiamento por parte do país. Em carta enviada a Tedros, Trump anunciou que congelaria a verba caso a OMS não se comprometesse com “melhorias substanciais nos próximos 30 dias”.

Apesar da proximidade de datas, o diretor-geral da organização garantiu que a criação da Fundação OMS nada tem a ver com a ameaça americana. Tedros ressaltou que a ideia surgiu há dois anos, sugerida por um funcionário em reunião semanal. “A criação não está ligada aos problemas recentes. Precisamos de recursos flexíveis para melhorar a qualidade do nosso financiamento e nos ajudar a lidar com outros desafios que enfrentamos".

A ampliação das fontes de recursos da OMS foi tema recorrente nos pronunciamentos de Tedros nas últimas semanas. O diretor-geral alertou para a pouca margem de manobra dos fundos atuais, uma vez que 80% do orçamento da entidade tem uso restrito a programas específicos, a partir de colaborações voluntárias dos Estados-membros.

Com o órgão recém-criado, o público em geral — indivíduos e empresas — poderá contribuir com doações. A verba passará pelo crivo da fundação antes de ser oferecida à OMS. Tedros adiantou que os recursos adicionais serão utilizados, principalmente, na expansão de programas sustentáveis para a população saudável, uma das áreas que menos recebe investimentos da entidade.

“Nosso foco não deve ser o tratamento de doenças, e sim a prevenção. Precisamos ajudar as pessoas a terem uma vida saudável, a partir do ar que respiramos, do ambiente onde vivemos. A promoção da saúde é o pilar mais importante”, afirmou.

Fundador do novo órgão, Thomas Zeltner destacou que a Fundação OMS é uma entidade jurídica independente, criada sob o direito suíço. O objetivo, segundo ele, é “angariar fundos significativos de fontes não tradicionais para aumentar e complementar o ecossistema da saúde mundial”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.