Dieta do pai pode afetar saúde de futura filha, diz estudo

Ratos com dieta rica em gordura produziram filhas com defeito no pâncreas, diz artigo publicado na Nature

EFE, EFE

20 Outubro 2010 | 19h03

O fato de o pai abusar do consumo de alimentos gordurosos pode aumentar o risco de que suas filhas sejam concebidos com maior propensão para a diabete e a obesidade, diz estudo realizado na Austrália e publicado na edição desta semana da revista Nature.

 

Até agora sabia-se que os pais obesos ou diabéticos têm risco maior de transmitir esses problemas para os filhos, mas esta é a primeira vez que se encontra um indício científico que um fator não genético - a dieta paterna - pode desencadear processo diabético na descendência.

 

Cientistas da Universidade de Nova Gales do Sul submeteram ratos machos a uma dieta de alto conteúdo de gordura, o que causou problemas de obesidade e tolerância à glucose, que transmitiram aos descendentes do sexo feminino gerados com fêmeas normais.

 

Os cientistas encontraram, nos filhotes, anomalias nas células beta do pâncreas, encarregadas de produzir insulina, hormônio que controla o nível de açúcar no sangue.

 

Segundo Margaret Morris, que chefiou o estudo, o risco de desenvolver diabete pode ser similar no caso de filhotes machos, embora o estudo só tenha analisado fêmeas.

 

Em comentário que acompanha o artigo, o biólogo Michael Skinner, da Universidade de Washington, considera a descoberta surpreendente, já que normalmente alterações nas células comuns do corpo não afetam as células germinativas - no caso do macho, os espermatozoides - e, portanto, não teriam como passar para a geração seguinte.

 

Skinner especula que a dieta poderia ser um fator ambiental que afeta a expressão dos genes, e não o material genético em si, durante a formação dos espermatozoides.

Mais conteúdo sobre:
genéticadietadiabeteobesidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.